top of page

Como Michael Giacchino usou pavor e escuridão para criar a trilha sonora de The Batman


A trilha sonora sombria de Michael Giacchino para The Batman – do tema melancólico para Bruce Wayne ao coral infantil para o Charada e estilos noir para Mulher-Gato – é a trilha sonora mais comentada do ano e uma das mais ambiciosas até agora.


Quando a gravadora WaterTower da Warner lançou a faixa “Batman” no final de janeiro, ela acumulou inesperadamente 2,3 milhões de visualizações no YouTube – o maior engajamento global de streaming que a gravadora já viu para o pré-lançamento de um álbum de partituras. E não para por aí, o interesse é que a trilha sonora do filme só vem crescendo desde o lançamento de The Batman na semana passada.


Michael trouxe alma, ele trouxe pavor, ele trouxe todas as correntes emocionais e atmosféricas que um filme como esse requer”, disse o diretor Matt Reeves em entrevistas recentes. “Você quase não consegue articular o que ele traz – você pode apenas sentir, como ele se expressa através da música, como isso se relaciona com a história.”


Este é o quinto filme deles juntos (incluindo os filmes “Planeta dos Macacos”, “Deixe-me Entrar” e “Cloverfield”). Reeves trouxe o compositor para o seu mundo cinematográfico em 2019, mesmo antes de ele lançar Robert Pattinson como o mais novo Bruce Wayne em uma Ghotam City devastada e suja. “A ideia de fazer esse personagem, esse mundo, é algo que eu sabia que iria ressoar com ele, assim como quando estávamos fazendo os filmes 'Macacos' juntos, porque nós dois éramos fãs incríveis desde a infância.”

 


 

O vencedor do Oscar e do Emmy (“Up”, “Lost”) começou a escrever e gravar músicas com base em páginas de roteiro e conversas com Reeves. “E então eu toquei para os atores”, relata Reeves. “Eu joguei no set. Rob estava me dizendo que era uma das ferramentas mais importantes para encontrar o tom emocional do personagem.”


A partitura de Giacchino é o equivalente sinfônico do filme de Reeves, ressaltando a figura assombrada por trás da máscara em meio ao turbilhão de crimes perturbadores de Gotham. Seu tema de Batman contém duas ideias musicais: “A obsessão de Batman”, uma música sinistra e repetitiva de quatro notas, e um tema de Wayne “que tem uma espécie de grande melancolia que é realmente sobre ser Bruce”, diz Reeves.


Seu tema de Mulher-Gato furtivo surgiu de discussões de trilhas noir clássicas, incluindo “Chinatown”, de Jerry Goldsmith, revela Reeves. “Então conversamos sobre incorporar esses tipos de cordas. Michael tinha escrito esse lindo tema para ela que quase ficou roxo demais, com sax e tudo. Então ele tirou isso de volta, mas há um pouco de cadência noir, uma vibração levemente jazzística.”


O mais fascinante é a música do Charada, que envolve um coral de meninos insinuando o passado conturbado do vilão louco. “Ave Maria”, o trabalho vocal de Franz Schubert no século 19, “foi construído no DNA do filme desde o início”, diz Reeves, e ele fez o ator de Charada, Paul Dano, cantá-la como se fosse um menino participando de um coral.


Ele pediu a Giacchino “uma versão espelhada divertida” da peça para representar o assassino adulto. “Em um sentido emocional, o Charada ainda tem 10 anos. Seria assustador... aquele tipo de voz de garoto desesperado durante todo o filme. Michael então escreveu uma versão muito misteriosa que tem uma conexão espiritual com 'Ave Maria'”.

Giacchino escreveu todos os temas principais antes das filmagens, diz Reeves. “Nós editamos com ele, comecei a mostrar o filme para ele e ele começou a escrever novamente. Fui à casa dele e fizemos o que sempre fazemos, sentamos juntos, passamos por isso e conversamos sobre as cenas.”


Com 2 horas e 55 minutos, “The Batman” é de longe o filme mais longo que Giacchino já colaborou. Ele gravou com uma orquestra de Londres de 70 peças e um coro de meninos de seis membros ao longo de 12 dias em outubro de 2021. A orquestra - principalmente cordas, metais e percussão, quase sem sopros (apenas três clarinetes) - foi dividida entre o Studio 1 e o Abbey Road. Studio 2, gravando simultaneamente com dois maestros respeitando os protocolos da COVID.


A enorme trilha sonora de Giacchino chega a uma hora e cinquenta seis minutos no álbum da trilha sonora, que termina com uma faixa de piano solo de 12 minutos, “Sonata in Darkness”, baseada no tema do Batman e tocada pela pianista clássica americana Gloria Cheng.


“O que eu amo nele é que ele é um cara tão engraçado”, diz Reeves. “Ele é como um garoto brincalhão. Você sabe que todos os títulos de suas faixas são trocadilhos (“Escaped Crusader”, “For All Your Pennyworth”), o que ainda me deixa louco até hoje. Mas sob tudo isso, ele é a pessoa mais sinceramente emocional. Então é sempre uma experiência maravilhosa. É uma das minhas partes favoritas de fazer qualquer filme. E a música é uma ferramenta muito poderosa.”


Giacchino atualmente está dirigindo um novo projeto de televisão para a Marvel. Seu quinto filme para o estúdio, “Thor: Love and Thunder”, está programado para ser lançado em 8 de julho, uma das três outras trilhas de Giacchino esperadas para este ano é “Jurassic World Dominion” que estreia em 10 de junho e “Lightyear” da Pixar com previsão para 17 de junho.


The Batman é estrelado por Robert Pattinson como Bruce Wayne, Zoe Kravitz como Mulher-Gato, Andy Serkis como Alfred Pennyworth, Paul Dano como o vilão Charada, Colin Farrell como o Pinguim, Jeffrey Wright como James Gordon e John Turturro como Carmine Falcone. O filme está nos cinemas e já é uma das maiores bilheterias do momento. O longa também deve chegar à HBO Max no dia 17 de abril.


Acompanhe a gente também nas redes sociais, Teoria Cultural para mais informações sobre o mundo da cultura pop.

 


86 visualizações0 comentário
bottom of page