Bem-vindos ao mundo 'Get Back to Let It Be' dos Beatles no Rock & Roll Hall of Fame em Cleveland


Era dia de São Patrício e o Rock & Roll Hall of Fame em Cleveland, tinha muito mais do que pessoas andando vestidas de verdes. A festa dentro do museu não era de São Patrício, dentro do museu a expectativa era pela abertura da exposição “Get Back to Let It Be” dos Beatles, que abriu ao público no dia 18 de março. A exposição é uma extensão do documentário épico de 2021 de Peter Jackson, “ The Beatles: Get Back”. Através de filmagens, artefatos e roupas selecionados vistos no filme, fotos das sessões de “Let It Be” e coisas efêmeras relacionadas, como letras manuscritas, “Get Back to Let It Be” reforça a alegre humanidade dos Beatles durante seu último ano como uma banda.


“Isso é realmente histórico para o Rock Hall”, disse o vice-presidente e curador-chefe Nwaka Onwusa. “Não é que não tenhamos contado a história dos Beatles; nós definitivamente fizemos isso e celebramos essas figuras icônicas. Mas ter a história de 'Let It Be' contada em uma respiração e uma história - todas exclusivamente da coleção dos Beatles - é realmente especial. ”


“Get Back to Let It Be” é sustentado por três salas de cinema exibindo imagens dos locais principais de “Get Back”: Twickenham Film Studios, o porão da Apple Corps e o infame show no terraço do prédio da Apple Corps. A exposição segue vagamente o arco de “Get Back”: entre uma sala em formato circular que projeta as ricas imagens em cores de Twickenham, e depois se move para uma sala de tamanho semelhante com as imagens do porão e finalmente termina em um espaço maior com a filmagem do show no terraço projetada em várias telas curvas, como uma experiência mini-IMAX. É fácil imaginar como deve ser emocionante estar no meio de uma multidão de fãs dos Beatles, assistindo e experimentando o show no terraço, juntos em um espaço sonoro imersivo.


Além das filmagens, a exposição “Get Back to Let It Be” apresenta algumas curiosidades fascinantes das coleções das principais figuras da época. O engenheiro Glyn Johns doou um acetato de vinil de músicas e seu calendário manuscrito de maio de 1969 e janeiro de 1970, apresentando assuntos relacionados aos Beatles e outros negócios. (O almoço com Jac Holzman, da Elektra Records, é um destaque.) Ringo Starr, enquanto isso, contribui com a capa de chuva de Lurex vermelho-tomate que ele pegou emprestado da então esposa Maureen e a bateria de bordo Ludwig que ele tocou nas sessões de “Let It Be” e no show no terraço. Perto disso tudo está a amada guitarra Epiphone Casino que John Lennon usou nas mesmas sessões, bem como sua jaqueta jeans Wrangler adornada com patches e óculos icônicos. George Harrison é representado por flash:


Para os fãs dos Beatles, “Get Back to Let It Be” oferece uma atenção agradável aos detalhes e acena para pessoas e coisas importantes na tradição da banda. O cobertor da bateria de Starr na exposição é xadrez (como em “Get Back”), enquanto o lado de fora do espaço de Twickenham é coberto com um verniz dos rótulos reais da Apple Records, um toque divertido para quem devorou ​​os discos dos Beatles. (Essa não é a única oportunidade de foto: perto do final da exposição há uma réplica da porta da Apple Corps em meados da década de 1970, cheia de grafites dos fãs dos Beatles.)

Da exposição 'Get Back to Let It Be' dos Beatles no Rock & Roll Hall of Fame em Cleveland: Um pôster de filme japonês, a capa de chuva de Ringo Starr do show no terraço, as letras manuscritas de George Harrison

“['Get Back'] realmente mostra a criatividade, a espontaneidade, o humor, o sarcasmo [dos Beatles]”, diz Craig Inciardi, curador do Rock Hall e diretor de aquisições. “Eles tinham sua própria linguagem, a maneira como se comunicavam – até mesmo linguagem não verbal. Você vê isso nesta exposição.”


Get Back to Let It Be” teve uma longa gênese. Inciardi diz que ele e o presidente e CEO da Rock & Roll Hall of Fame Foundation, Joel Peresman, “se encontram há 10 anos” com o CEO da Apple Corps, Jeff Jones, sobre uma possível colaboração. “[Nós] basicamente dissemos que gostaríamos de criar uma exposição sobre os Beatles, com a cooperação da banda e da gravadora.”


A ideia de “Get Back to Let It Be” especificamente tomou forma cerca de três anos e meio atrás. Não tão coincidentemente, Peter Jackson já havia começado a criar “Get Back” a partir do tesouro das filmagens de 1969 de Sir Michael Lindsay-Hogg dos Beatles durante as sessões de “Let It Be”. “Queríamos criar uma exposição para pegar carona no lançamento do documentário”, diz Inciardi. “No início, nosso conceito era uma experiência imersiva para complementar o filme. Nosso objetivo é tentar nos aproximar e fazer com que seja uma experiência única para todos os fãs.”

Apesar das linhas do tempo sobrepostas – Jackson realmente começou a trabalhar em “Get Back” em 2017 – Inciardi observa que eles “não colaboraram” com o diretor; na verdade, o Rock Hall tinha as rodas em movimento para a exposição antes de Jackson terminar o documentário. No entanto, “comunicamos à equipe dele o que achamos que funcionaria e, em seguida, eles voltaram e fizeram uma edição para nós”, diz Inciardi. Para a exposição, ele também observa que eles “receberam informações dos diretores”, ou seja, os Beatles vivos e os parentes de John Lennon e George Harrison. (A exposição tem uma nota proeminente expressando gratidão a McCartney, Starr, Yoko Ono e Sean Lennon, e Olivia e Dhani Harrison.)


“Get Back to Let It Be” é único para o Rock Hall, na medida em que o museu nunca fez uma exposição sobre um filme antes. “A multimídia é realmente o assunto aqui”, diz Inciardi. “Não é apenas um complemento da exposição. As entranhas da exposição são o que está acontecendo nessas telas – e o resto é evidência de apoio.”

Exposição 'Get Back to Let It Be' dos Beatles no museu Rock and Roll Hall of Fame em Cleveland

“Get Back to Let It Be” está aberto no Rock Hall até março de 2023 – apropriadamente, 60 anos para o mês do lançamento do LP de estreia dos Beatles, “Please Please Me”. Os fãs que compraram esse disco na época – e as futuras gerações de fãs – sem dúvida apreciarão esta exposição. “[Peter Jackson] conseguiu dissipar o mito de que as sessões de 'Let It Be' foram tão carregadas, e nossa exposição ajuda a aprofundar essa narrativa”, diz Inciardi. “Muitas vezes não temos a oportunidade de esclarecer as coisas em uma exposição. Mas esta é uma oportunidade única para nós fazermos isso.”

 

Acompanhe a gente também nas redes sociais, Teoria Cultural para mais informações sobre o mundo da cultura pop.

 

Conteúdos que você também pode gostar:

Keith Richards revela que trocou a guitarra pelo baixo em novas músicas dos Stones


Beach House continua firme num universo musical que vai muito além do Dream-Pop comum e pasteurizado

 


28 visualizações0 comentário