top of page

'Turning Red: Crescer é uma Fera', é mais um triunfo bonito e emocionante da Pixar



A puberdade pode ser vista como aquele acontecimento repleto de confusões e dúvidas, para muitos pode ser um gigante mostro- em outras palavras mais apropriadas para ocasião ela pode ser um adorável e desgovernado panda-gigante. Estamos falando de 'Turning Red: Crescer é uma Fera' da Pixar. Onde uma garotinha de 13 anos se transforma em um panda-vermelho gigante sempre que se exalta, e isso pode muito bem ser visto como aquele sentimento reprimido da idade que está morrendo de vontade de libertar sua aberração interior. Seja bem-vindo ao conflituoso mundo da puberdade.


A Pixar cada vez mais tem se destacado em produções que tocam em temas complexos e um tanto ainda rodeados de certos preconceitos. Engana-se quem ainda pensa que suas animações são apenas para crianças. Não que as crianças não possam compreender e se identificar com as temáticas abordadas. Mas é que cada vez mais essas produções dizem muito sobre nós adultos.

No caso de 'Turning Red' temos a chegada da puberdade, as mudanças hormonais e às vezes isso tudo pode parecer uma fera dentro de nós. Em algum momento de nossas vidas já passamos por esses conflitos e temperamentos difíceis. Mas o olhar sensível, dócil e confortante da direção de Domee Shi (vencedora do Oscar pelo curta da Pixar "Bão") traz leveza e alegria para uma das fases mais conturbadas da vida. Shi faz um uso muito assertivo da alegoria da estranha puberdade, transformando esse universo de novos sentimentos, paixões e descobertas em um mundo fofo e divertido.


O interessante da narrativa e premissa do filme é justamente o fato de ser uma menina, se pararmos para analisar, durante muito tempo os meninos são os que mais possuem modelos para extravasar suas emoções, e sentimentos explosivos ao olhar para os Lobisomens e até mesmo para o incrível Hulk e outros, são modelos que servem de metáforas divertidas para amparar e confortar as mudanças de humor enquanto as meninas tiveram muito pouco para se olharem no espelho e lidar de frente com as mudanças hormonais que chegam com a adolescência.



Mei Lee (Rosalie Chiang) uma garotinha de 13 anos está vivendo esse momento repleto de emoções, enquanto precisa lidar com sua mãe super protetora. Em uma certa manhã, após um incidente humilhante de sua jovem vida, Lee, acorda como um panda-vermelho gigante e precisa lidar com seu temperamento feroz. Pode parecer mera coincidência, mas me vi nas primeiras linhas de Franz Kafka em a 'Metamorfose', porém em uma versão leve e descontraída.


'Turning Red' é uma animação comovente, divertida e lindamente expansiva. Mais um belo triunfo da Pixar. Embora seja repleto de acontecimentos e reviravoltas, o filme se parece mais com o mundo de 'Toy Story’ e 'Monstros S.A'. sendo produções que fluem sem esforço algum.

Shi parece ter colocado sua alma, sentimentos e coração nessa aventura enriquecida com a cultura chinesa, 'Turning Red' ou se preferir Ficando Vermelho soa amplamente pessoal e isso é o que torna essa produção especial e acolhedora. É nesse ponto que a produção cresce e ganha dimensões expansivas. O bom uso das cores, ressaltam a narrativa cercada por aventuras que se tornam uma verdadeira ode aqueles estranhos anos da fase pré-adolescência.


O panda-vermelho pode muito bem ser uma metáfora sobre a chegada da menstruação na vida de uma garotinha. Mas 'Turning Red' vai, além disso, em sua contextualização. Existem valores ressaltados no decorrer da história como a amizade, e os laços entre mãe e filha. A mãe de Lee possui seus motivos para agir da maneira que age e ela não se distingue de muitas mães e pais da realidade.


Às vezes é difícil enxergar que o que é bom e certo para nós que somos pais, pode ser duro e confuso para nossos filhos. É difícil entender que metade de nossas boas ações e intenções não se alinham mais com os desejos que passam por suas cabeças, assim é Lee no filme. Isso pode até parecer que o filme de Shi vai tomar o caminho da filha rebelde que se opõe à autoridade dos pais.


Em vez disso, 'Turning Red' segue o caminho mais descomplicado, simples e realista. Mei está apenas crescendo e não é mais uma criança, e sua mãe não vê isso, ou melhor, ela não quer aceitar, uma das coisas mais difíceis para um pai e uma mãe é deixar seu filho seguir seu caminho sozinho. Tal insegurança é compreensível, pois ela nasce de um amor profundo e imensurável por nossos filhos.


O resultado dessa exuberante animação é aquele sentimento reconfortante, bonito e emocionante para todas as famílias. Recomendável para todos que possuem filhos entrando nessa conturbada fase da vida. 'Turning Red'' é bem mais divertido, inteligente e honesto do que você pode imaginar ou até mesmo esperar. É impossível ficar indiferente a um filme verdadeiro e bonito como este.

 

Ficha Técnica

Turning Red (2022)

Turning Red: Crescer é uma Fera


Ano: 2022

Gênero: Animação, aventura

Direção: Domee Shi

Roteiro: Julia Cho, Domee Shi

Data de Lançamento: 11 de março de 2022

Classificação: Livre

Duração: 1h 40 min

Elenco: Rosalie Chang, Sandra Oh, Ana Morse

Onde ver: Disney +


 

NOTA DO CRÍTICO: 8,5

 

Confira o trailer:


 

Sugestões que você também pode gostar:




 

Acompanhe a gente também nas redes sociais, Teoria Cultural para mais informações sobre o mundo da cultura pop.

 





252 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page