A Casa, suspense psicológico disponível na Netflix incomoda com sua atmosfera perturbadora

Atualizado: 4 de abr.


A Casa/Hogar. Imagem Divulgação Netflix

'A Casa' (2020) é um longa-metragem de suspense psicológico bem oportuno para o momento que vivemos. Aborda diversas temáticas e críticas sociais. O filme em alguns aspectos lembra muito a produção coreana Parasita, de 2019. O longa é dirigido pelos irmãos Àlex Pastor e David Pastor, que são responsáveis também pelo roteiro. E se você ainda não viu vale a pena dar aquela conferida.


A trama acompanha a rotina do renomado publicitário Javier Muños (Javier Gutiérrez), acostumado a levar uma vida de classe média alta. Há algum tempo desempregado, ele se vê forçado a mudar com a família para um apartamento mais simples, tendo que abrir mão do status de alta classe. E se tem algo que incomoda as pessoas que vivem “por cima” é ter que viver o oposto disso. É aquela velha história: quem vive no bem-bom não quer deixar de usufruir de conforto e segurança.


O título A Casa, faz uma alusão ao contexto de “sonho americano: “a imagem da casa perfeita, com ótima iluminação em um bairro renomado”. É a ilusão que grande parcela da população alimenta, como ser bem-sucedido na vida, esquecendo-se de conceitos e virtudes fundamentais como compaixão e amor ao próximo.

A Casa. Imagem divulgação Netflix

Javier busca se reestruturar e retornar ao mercado de trabalho, mas se vê preso em um campo cada vez mais competitivo e tomado por pessoas mais jovens, com ideias inovadoras. E tendo que encarar entrevistas humilhantes de emprego. Perante a dura realidade, ele passa a espionar a vida dos novos moradores do seu antigo apartamento, dentre eles Tomas (Mario Casas), um importante executivo bem-sucedido que também guarda seus segredos obscuros.

A partir daí, Javier invade feito uma sanguessuga a vida dos novos moradores, passando a nutrir cada vez mais sentimentos de inveja, raiva, obsessão. O que o leva a tomar medidas desesperadas e lunáticas.

O filme entrega bons momentos de suspense psicológico. Não é uma obra perfeita, tem suas falhas, suas lacunas. Algumas questões levantadas caberiam mais aprofundamento. O longa bebe das águas dos velhos clichês já conhecidos. Não, é algo que chega a atrapalhar a experiência do espectador.


A ótima performance de Javier Gutiérrez também se sobressai sobre as falhas. A sua transformação de um bom pai de família, marido amoroso e profissional bem-sucedido em um homem frio, calculista com comportamento cada vez mais sociopata, é digna de indicação ao Oscar.

Javier Gutiérrez no filme A Casa. Imagem Divulgação

O longa cria metáforas para denunciar o quanto as pessoas estão se tornando cada vez mais individualistas e parasitas. É uma amostra do que muitas delas são capazes de fazer para alcançar seus objetivos ou retomar seus status.


Em um contexto geral, o filme não desagrada. Tem seus momentos dramáticos recheados de suspense psicológico e ótimas atuações. Dá suas derrapadas no terceiro ato, com fórmulas já batidas de fazer suspense. Mas não deixa de ser uma ótima atração para esses dias sombrios e áridos o qual temos vivenciado.

 

Ficha Técnica:

A CASA (2019)

Hogar


Ano: 2020

País: Espanha

Direção: David Pastor, Àlex Pastor

Roteiro: David Pastor, Àlex Pastor

Duração: 1h43 min

Elenco: Javier Gutiérrez, Mario Casas, Bruna Cusí, Ruth Díaz

Classificação: 14 anos

 

NOTA DO CRÍTICO: 7,0

 

Confira o trailer logo abaixo:


 

Conteúdos que você também pode gostar:


Entre na estranha e ótima The House


Truman é sobre os laços de amizades que fazemos nessa jornada chamada vida

 

Texto publicado originalmente no site Urge!


39 visualizações0 comentário