Mark Lanegan, 1964 – 2022: uma voz sombria fundamental no Rock Alternativo moderno.


O Diabo era bastante desgovernado e munido com as melhores músicas, mas raro era o cantor abençoado com Sua própria voz tenebrosa. O pioneiro do grunge Mark Lanegan – que morreu ontem (22 de fevereiro) aos 57 anos – cantou como um verdadeiro poeta sempre disposto a levar sua sensibilidade sombria aonde quer que sua musa o apontasse, ou talvez fosse um pântano do sul, uma catacumba do cânion, uma forca. A verdade era que ele era dono de uma voz que mais parecia um rosnado profundo e devastado das profundezas da alma.


Seu deslumbramento abstruso e vocais no estilo vodu fizeram dele uma espécie de Deus pós-grunge, se Deus tivesse definido todas as situações em que ele surgiu. Além de seu trabalho no grunge formativo com Screaming Trees e onze álbuns solos rudimentares, ele colaborou com uma enorme gama de figuras, incluindo Kurt Cobain, PJ Harvey, Queens of The Stone Age, The Breeders, UNKLE, Manic Street Preachers, Guns N' Roses' Duff McKagan e a ex-vocalista do Belle & Sebastian, Isobel Campbell, com quem dividiu uma indicação ao Mercury Prize por 'Ballad of the Broken Seas’, de 2006.


Ao contrário de muitos músicos que lutaram contra drogas pesadas por tempos, quase perderam um braço para a heroína, passaram um período sem-teto e passaram por várias temporadas de reabilitação, Lanegan manteve o respeito e a admiração de seus colegas e admiradores ao longo de sua carreira. Sua perda marca o desmoronamento de uma das pedras fundamentais do rock alternativo moderno.

Nascido em Ellensburg, Washington, em 1964, Lanegan teve uma vida amplamente abastecida e guiada pela seita do rock'n'roll. Seus pais professores se divorciaram quando ele era jovem e, de acordo com seu livro de memórias de 2020 Sing Backwards and Weep, os problemas de bebidas e jogos de seu pai logo o afetaram.

Screaming Trees em 1993

Aos 12 anos, ele já havia se tornado um jogador compulsivo e logo passou a ser recriminado como o bêbado da cidade, e seu uso de drogas pesadas começou aos 18 anos, quando foi preso por roubo, arrombamento e invasão, fraude, vandalismo e passou um ano na prisão por acusações de drogas.


Entretanto, ele também era um fanático por punk e se juntou à banda Screaming Trees em 1984 como baterista: “Eu era um baterista de merda que eles fizeram cantar, disse ele. O hard rock psicodélico do álbum de estreia da banda 'Clairvoyance' (1986) foi um dos principais ingredientes para surgimento do grunge, e como eles desenvolveram o som ao longo de mais três álbuns no selo SST do guitarrista do Black Flag, Greg Ginn no final-' Nos anos 80, eles se juntaram ao Mudhoney, Alice In Chains, Soundgarden, Pearl Jam e Nirvana como grandes nomes da cena de Seattle.


A amizade com Kurt Cobain, que conheceu Lanegan em um show e logo se apresentou como fã, resultou em uma parceria soberba no álbum solo de estreia de Lanegan 'The Winding Sheet' em 1990 - uma influência no show 'Unplugged' do Nirvana e um disco que Dave Grohl classificou como "um dos melhores álbuns de todos os tempos”. Lanegan continuou fazendo discos, solo ao longo dos anos 90, mesmo quando Screaming Trees assinou com a Epic Records e começou a forjar incursões nas paradas de rock dos EUA com 'Uncle Anesthesia' (1991), 'Sweet Oblivion' (1992) e os singles "Bed Of Roses", "Dollar Bill" e "Nearly Lost You", o último tornando-se o maior sucesso de sua carreira graças à sua inclusão no filme de Cameron Crowe, baseado em Seattle, 'Singles'.



O agravamento do uso de drogas de Lanegan (aconteceu em uma turnê em 1992 que uma infecção por abuso de heroína fez os médicos considerarem amputar seu braço, e após a morte de Cobain em 1994 ele admitiu mergulhar mais fundo nas drogas) não parecia atrapalhar sua produtividade. Seu álbum solo de 1994 'Whiskey For The Holy Ghost' foi considerado um dos melhores. Em 1995, ele colaborou com o vocalista do Alice In Chains, Layne Staley, e Mike McCready, do Pearl Jam, no super grupo Mad Season.


Em 1996, Screaming Trees lançou seu último álbum 'Dust', um triunfo criativo e crítico, mas uma decepção comercial. Enquanto Lanegan trabalhava em seu álbum solo de 1998 'Scraps At Midnight' e ficava limpo através de uma reabilitação que salvou vidas financiada por Courtney Love, os hiatos tornaram-se comuns e muitas brigas internas. Sem gravadoras interessadas nas demos de 1999 do oitavo álbum do Screaming Trees, a banda se separou no ano seguinte.

 
"Lanegan esculpiu sua forte e sombria identidade como vocalista e compositor ao longo dos anos".
 

Na esteira do Screaming Trees, Lanegan se viu brevemente sem-teto, trabalhando em canteiros de obras e sets de filmagem ou cuidando da casa de Duff McKagan. Mas ele era um talento que a cena do rock americano não deixaria desaparecer – projetos e colaborações rapidamente se acumularam. Seu amigo íntimo Josh Homme o convidou para cantar no álbum de estreia do Queens Of The Stone Age em 2000, 'Rated R', e depois se juntar à banda em 2001, tocando em seu álbum inovador 'Songs For The Deaf' e seu sucessor 'Lullabies To Paralyze': “é ótimo tocar, essencialmente, com meus melhores amigos”, disse ele, e sua presença carrancuda durante o período de fuga ajudou a dar ao Queens sua mística essencial do rock do deserto.


Em 2003 ele colaborou com Greg Dulli do Afghan Whigs como The Gutter Twins, que lançou um álbum ('Saturnalia', 2008), e em 2004 ele começou uma colaboração célebre com Isobel Campbell que se estenderia por sete anos e juntos produziram três álbuns.


Enquanto isso, sua carreira solo continuou, com muitos de seus amigos e associados da cena rock dos EUA e além, contribuindo para 'Field Songs' (2001) e 'Bubblegum' (2004, com PJ Harvey). Após uma recaída nas drogas que o levou a um coma de 10 dias em 2004 e outro período de reabilitação em 2007, a última década foi particularmente prolífica, produzindo seis álbuns que vão além de suas raízes grunge rock em eletrônica e pós-punk dos anos 80. Sua voz de nuvem de tempestade também o tornou um vocalista convidado popular para atos tão díspares quanto Moby e a banda sueca de metal Cult Of Luna.

Nos últimos anos, ele também se tornou um autor – seu último livro Devil In A Coma detalhou uma batalha de quase morte com o Covid, que o colocou em coma induzido na primavera de 2020, perto de sua casa na Irlanda. Ele viveu para contar essa história; a tragédia é que o maior sobrevivente do grunge ainda tinha muito mais nele.

 

Sobre Marcello Almeida

É editor e criador do Teoria Cultural.

Pai da Gabriela, Técnico em Radiologia, flamenguista, amante de filmes de terror. Adora bandas como: Radiohead, Teenage Fanclub e Jesus And Mary Chain. Nas horas vagas, gosta de divagar histórias sobre: música, cinema e literatura, e curtir as aventuras do cão Dylan. marce.almeidasilvaa@gmail.com




 

58 visualizações0 comentário