King Princess revela que trabalhar com Taylor Hawkins foi uma “experiência transformadora”

A faixa 'Let Us Die', que conta com a colaboração de Hawkins na bateria, foi descrita como uma homenagem ao falecido músico

CRÉDITO: Getty

A cantora e compositora King Princess falou sobre a experiência de trabalhar com o saudoso Taylor Hawkins, baterista do Foo Fighters, que faleceu este ano, em sua nova faixa 'Let Us Die'.



A canção inspirada na atmosfera do pop-punk é a faixa que encerra o seu segundo disco intitulado 'Hold On Baby', que chegou hoje pela manhã (29). Durante uma entrevista para Rolling Stone, King Princess – nome verdadeiro Mikaela Straus – confirmou que a música foi co-escrita com Ethan Gruska e Mark Ronson.


Princess lançou um vídeo oficial para 'Let Us Die'. Falando com Zane Lowe no Apple Music 1, a compositora descreveu-a como “provavelmente a melhor música que já escrevi” e relembrou como foi ter trabalhado com Hawkins que tocou bateria na canção.


“Eu fiquei tipo, esse é o tipo de merda que eu quero fazer”, disse ela a Lowe. “Isso me traz a mesma sensação que recebo de Alanis. E é por isso que eu me esforço. E eu mostrei a música para Mark e ele ficou tipo, 'Isso é incrível', o que ele nem sempre diz. Então eu sabia que era algo especial.

“E ele disse, 'Mas nós realmente precisamos de um baterista que vai dar vida a isso. Isso precisa ser uma pessoa viva e respirando atrás de uma bateria e não uma batida programada, não um sample. Este é o tipo de música que precisa de humanidade por trás de todos os instrumentos'”.


King disse que concordou com a visão de Ronson, com a cantora sugerindo o baterista do Foo Fighters. “Eu estava tipo, 'Você acha que poderia chamar Taylor Hawkins para tocar na minha música?' Ele disse: 'Mikaela, nem se preocupe com isso'”.


Hawkins aceitou a oferta de colaboração, saudando 'Let Us Die' como “uma ótima música”.


Ela continuou: “Então ele estava gravando em seu estúdio e eu estava no Brooklyn e estávamos alimentando através do console. Tão louco também estar no meu estúdio de infância, ouvindo esse cara tocar nos alto-falantes do meu pai. E meu pai [estava] sentado lá assistindo. Não consigo nem descrever. Eu estava tão emocionada. Foi louco.


“Mas entre as tomadas, fizemos FaceTime e ele foi tão gentil. E [Hawkins] apenas [dizia], 'Como foi isso?' Eu fiquei tipo, 'É incrível. Você quer fazer isso mais uma vez?'. [Ele respondeu], 'Sim, deixe-me fazer mais algumas. Eu vou fazer mais alguns'. E ele simplesmente fez isso.


Questionada sobre como ela processou sua perda, Straus respondeu: “Eu mandei uma mensagem para Mark. Eu estava devastado. Acabei de conhecê-lo. E então eu…” Ela continuou dizendo que trabalhar com Hawkins foi “talvez a experiência mais transformadora” de sua vida.


“Eu nunca tive bateria em um disco assim. Eu nunca senti como é ter um baterista assim,” ela explicou. “Então ele me deu isso e ele foi muito gentil. E então descobrir isso [que ele havia morrido]… eu estava completamente em choque.”

 

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo