top of page

Bruna Caram traz canções românticas e politizadas de Gonzaguinha de forma sublime em "Afeto e Luta"

Atualizado: 10 de mai. de 2023

“Afeto e Luta” foi projetado para ser lançado em 2021, mas está sendo lançado agora em 2023, e teve Jean Wyllys como pesquisador do repertório.

Foto: Bianca Burnier/Divulgação.

Bruna Caram é uma cantora brasileira da cidade de Avaré, interior do Estado de São Paulo, que desde 2006, com o coeso disco “Essa Menina” ao trazer canções românticas, politizadas e alegres que misturam a MPB com timbres no Pop, na Bossa Nova e na música regional de forma bem interessante. Além disso, ela é também atriz onde atuou na minissérie “Dois Irmãos” da TV Globo e poetisa com 2 livros de poesia lançados até o momento que são “Pequena Poesia Passional” e “Pequena Poesia Presente”. Já Gonzaguinha é um saudoso cantor brasileiro que nasceu na cidade do Rio de Janeiro, é reconhecido como filho do grandioso músico Luiz Gonzaga e vem desde os anos 1970 mostrando em excelentes discos um repertório cheio de músicas românticas e politizadas que expressa coisas da vida cotidiana e diversos temas sociais em gêneros musicais como a MPB, o Samba e o Baião.


Ambos são respeitáveis e admirados nomes da música popular brasileira. Como em 2023 faz 50 anos do excelente “Luiz Gonzaga Jr.” o disco de estreia de Gonzaguinha, a cantora paulista resolveu homenagear o artista carioca lançando para esse ano o “Afeto e Luta - Bruna Caram Canta Gonzaguinha” que exalta bem seu lado interprete e instrumentista ao trazer uma voz cristalina, instrumentos bem afiados e produção excelente que faz dela um nome que merece exaustivamente ser ouvido e divulgado pelo seu grandioso talento musical.



A capa do álbum é muito bem inspirada na bonita capa de um esplêndido álbum de Gonzaguinha que é o “Caminhos do coração” de 1982. onde tem nele um de seus maiores clássicos musicais, a inesquecível “O que é o que é?” com direito uma imagem bem repaginada que captou bem os seus elementos que são bem presentes em ambas as artes.



“Afeto e Luta” foi projetado para ser lançado em 2021, mas está sendo lançado agora em 2023. Ele possui 10 faixas que mostram bem essa mistura bem feita de diferentes gerações que teve Jean Wyllys como pesquisador do repertório.

Foto: Rodolfo Magalhães/Divulgação.

Em “Eu Nem Ligo” a cantora convida o multifacetado artista Zeca Baleiro para fazer um dueto bonito e potente que mostra o lado social de Gonzaguinha de forma ótima ao som de um maravilhoso rock. A faixa “É” pertence também seu lado politizado enraizado e aqui a participação de Preta Ferreira deu som elétrico que mistura Samba e Frevo de forma contagiante e elétrica que é impossível não se lembrar da bela versão de “Brasil” uma marcante música do repertório de Cazuza que ganhou um ar forte na voz da Gal Costa. A diferença é que essa faixa traz um frescor carnavalesco instrumental bem acentuado.


Outra que possui traços de Samba na canção e explora muito bem o gênero musical é “Com a Perna No Mundo” onde sua interpretação faz um belo convite para sambar com seu contagiante ritmo e sonhar com sua letra ao aflorar a mente, criar sonhos para realizar nesse mundo. E por falar em sonhos, não se pode deixar de lado a emocionante “Sementes do Amanhã (Nunca Pare de Sonhar)” que traz ares de esperança acompanhado de um belo som de sanfona e uma participação brilhante da consagrada musicista Leila Pinheiro e de Nanan Gonzaga, filha de Gonzaguinha.



“Não Dá Mais Para Segurar (Explode Coração)” exalta o romantismo em um piano inspirado no Jazz e na Bossa Nova ao trazer uma bonita suavidade instrumental e uma voz bem limpa que soa como um sussurro que implora por amor ao entregar de corpo e alma uma bela regravação. “Redescobrir” traz um bom som que elenca um belo dueto com o renomado Zé Renato, músico bastante ligado ao grupo musical Boca Livre, como forma de celebrar a vida com o jogo do trabalho das mãos e o suor dos corpos de cada ouvinte.


“Caminhos do Coração” traz um digno encerramento desse trabalho que contou com a presença do cantor e violinista Renato Braz ao introduzir na parte inicial da canção uma parte da inesquecível “A Vida do Viajante” de forma tocante e faz abraçar a poesia lírica da música que retrata as complexidades de viver bem como os encontros e desencontros das pessoas da vida de cada um no mundo.

Se Gonzaguinha não tivesse falecido cedo demais, aos 45 anos, em 29 de abril de 1991, certamente aconteceria um dueto dos dois porque Bruna Caram exalta bem a qualidade sonora e poética do seu homenageado de forma primorosa, cativante e ótima que embala e acolhe com seu sentimentalismo forte, seu lado político feito de forma enfática e seu poetismo maravilhoso que fez dois músicos se complementarem muito bem que fazem de “Afeto e Luta” um disco de MPB de homenagem feito de uma forma extremamente espetacular que exalta a genialidade de Gonzaguinha e a magnitude de Bruna Caram.

 

Afeto e Luta - Bruna Caram Canta Gonzaguinha

Bruna Caram


Gênero: MPB

Lançamento: 28 de abril de 2023

Ouça: "Eu Nem Ligo", "Não Dá Mais Para Segurar (Explode Coração)", "É", "Redescobrir"

Humor: Politizado, Romântico, Festivo


 

NOTA DO CRÍTICO: 9,0

 

Veja videoclipe de "Eu Nem Ligo":


206 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page