Torres encontra o equilíbrio entre canções introspectivas e volumes altos no novo disco, 'Thirster'


A cantora e compositora norte-americana Mackenzie Scott, mais conhecida como Torres demonstra um talento primoroso ao unir drama com sentimentos pessoais. Seu álbum de estreia autointitulado lançado em 2013, introduziu de maneira abundante e precisa suas letras introspectivas mostrando para o mundo a potência de seus vocais crus e nervosos que sabem ser dóceis no momento certo. Um talento que ela veio cultivando e aprimorando com o passar do tempo. Seu segundo disco ‘Sprinter’ de 2015 recebeu uma roupagem bem voltada para o Rock e Indie Rock. Mais uma das doces façanhas da cantora em experimentar sonoridades e estilos em suas composições. Em ‘Silver Tongue’ de 2020, ela agregou a sonoridade do disco anterior aos tons melódicos do Pop polonês, e isso não parece ser nada difícil para compositora que chega aos seus 31 anos solidificando uma carreira repleta de ótimos álbuns no currículo.


Em seu mais recente disco ‘Thirstier’ de 2021, Torres parece ter encontrado o caminho perfeito em suas composições para revelar a música que vem de sua alma. A garota que cresceu em Macon, Geórgia, que começou a cantar no ensino médio, atuando em musicais escolares, cantando na igreja e tocando violão, definitivamente alcança seu ápice criativo com 'Thirstier', um disco mais conciso, maduro e repleto de hits ensolarados, agridoces e cativantes. O sentimento que o álbum passa é de que Scott agarrou toda a complexidade de sua música apresentada em trabalhos anteriores e expandiu seu universo sacudindo a si mesma e o seu público com canções que incorporam magistralmente o Rock, Country e o Synthpop. Se fosse para resumir o álbum em poucas palavras: músicas mais curtas, refrões adocicados e velozes e tudo soa mais alto e luminoso.


O disco abre com a expressiva “Are You Sleepwalking” um eletro-rock pulsante que instiga com suas mudanças climáticas e prepara o terreno para um dos momentos mais lindos do disco com a viciante “Don’t Go Puttin Wishes in My Head” aquela canção que vai colocar um belo sorriso em seu rosto e não estranhe se te der vontade de sair pulando pela casa, ela definitivamente coloca 'desejos em nossa cabeça'. (E a única coisa que consigo pensar nesse instante é sobre aonde eu estava em 2021, que não ouvi essa “coisa linda”). “Drive Me” consegue expandir e amplificar o sentimentalismo de suas composições, uma canção que coloca em destaque todo o seu talento para escrever músicas com paisagens românticas, colocando em evidência sua habilidade cativante de expressar emoções universais de maneiras inusitadas e memoráveis.

Se no começo de sua carreira sua música era sutil demais para chamar atenção de ouvintes desatentos, com 'Thirstier' ela com certeza vai capturar sua atenção nem que seja com a nostálgica “Hug From a Dinousaur” e sua atmosfera nostálgica que resgata os sons dos anos 90 com maestria e sintetizadores eletrizantes que fazem emergir aquele sentimento de felicidade instantânea e contagiante.

A experiência com o disco é surpreendente e instigante, entretanto, cada canção parece ter sido elaborada para libertar inúmeros sentimentos e vontades, a cada nova transição você se sente mergulhado em um poço de sensações inusitadas. Nem todas as canções são voltadas para o rádio, mas mesmo as músicas mais lentas e suaves conseguem ser atraentes: o Folk arejado e estimável de “Constant Tomorrowland” e o electro-pop sonhador de “Kiss the Corners” equilibram perfeitamente a atmosfera do disco.


Torres cumpre muito bem o papel como herdeira notável de PJ Harvey, Cat Power e Sharon Van Etten. Então eu simplesmente sugiro que você pegue seus melhores fones de ouvido e desfrute dessas canções que crescem em volume alto e vocais crus e sedutores. Eu não vejo outra lógica para esse álbum a não ser viciante e eficaz em sua proposta de fazer música com a alma e coração. E se compor canções enérgicas e altas é o que é preciso para fazer as pessoas prestarem atenção e realmente sentirem a verdadeira essência da música, então 'Thirstier' é um sucesso imediato.

 

Ficha Técnica:

Thirstier

Artista: Torres

Gênero: Indie Rock, Rock Alternativo

Data de Lançamento: 30 de julho de 2021

Ouça: "Don't Go Wishes in My Head", "Hug From a Dinosaur" e "Drive Me"

Para quem gosta de: PJ Harvey e Cat Power

Nota: 8,0

 

Ouça o disco no Spotify:
















 

Veja o vídeo da faixa "Don't Go Puttin Wishes in My Head"


 

Sobre Marcello Almeida

É editor e criador do Teoria Cultural.

Pai da Gabriela, Técnico em Radiologia, flamenguista, amante de filmes de terror. Adora bandas como: Radiohead, Teenage Fanclub e Jesus And Mary Chain. Nas horas vagas, gosta de divagar histórias sobre: música, cinema e literatura, e curtir as aventuras do cão Dylan. marce.almeidasilvaa@gmail.com


 





30 visualizações0 comentário