'Jurassic World: Domínio' pode ser tudo, menos um filme sobre dinossauros; crítica

'Domínio' se prende a normalidade e narrativas alternativas que tiram toda a emoção dos dinossauros



Quando você olha para ‘Jurassic Park’ de 1993, do cineasta Steven Spielberg, de imediato constata o brilho e magia do filme onde realmente os dinossauros são o centro das atenções, temos uma obra cinematográfica sentimentalista e profunda sobre esses animais fantásticos. O tratamento que Spielberg deu aos gigantes pré-históricos provoca medo e, ao mesmo tempo, amor. Já não podemos dizer a mesma coisa da nova sequência ‘Jurassic World: Dominion’ do diretor Colin Trevorrow, o longa se perde em tramas paralelas que tiram todo o encanto dos dinossauros. Mesmo trazendo personagens clássicos da antiga franquia eles não possuem um bom desenvolvimento na trama, para dizer a verdade, são muito mal aproveitados pelo roteiro repleto de falhas.


A ideia que 'Jurassic World: Domínio' transmite é de simplesmente aproveitar o sucesso da franquia e fazer dinheiro. Simples assim: traga personagens antigos como Alan Grant (Sam Neill) e Ellie (Laura Dern) e Malcolm (Jeff Goldblum), jogue um bando de dinossauros no meio e tá tudo certo, é o que o público quer ver. O filme pode até ser um pouco melhor do que seus antecessores em alguns aspectos, mas está muito longe daquele início mágico e clássico. 'Domínio' se passa após quatro anos dos acontecimentos da Isla Nublar. Os dinossauros agora vivem - e caçam entre os humanos em todo o mundo. O filme foi vendido como o desfecho épico da era jurássica, com o encontro de duas gerações pela primeira vez Chris Pratt e Bryce Dallas Howard são acompanhados pelos já citados Sam Neill, Laura Dern e Jeff Goldblum.


A premissa de 'Domínio' não é ruim. O filme tinha todos os elementos para explorar uma trama vibrante e empolgante. Você tem dinossauros andando ao lado de humanos, um elenco que resgata a nostalgia do início da franquia, mas tudo isso é desperdiçado quando o roteiro assinado por Trevorrow e Emily Carmichael (Círculo de Fogo: A Revolta), resolve apostar em tramas paralelas e soltas como a ganância corporativa e gafanhotos geneticamente modificados que estão causando destruições de plantações pelos EUA. A partir disso, temos um filme de gafanhotos mutantes com os dinossauros de plano de fundo para enfeitar o ambiente e comover o público. A ideia não se sustenta e um filme que era para ser divertido e envolvente se torna maçante e tedioso, deixando nítido o real interesse do estúdio em cima da franquia. Até mesmo os efeitos de CGI em algumas cenas são exagerados tornando tudo muito superficial.



As cenas de conflitos entre humanos e dinossauros ou até mesmo de perseguição são tão comuns e sem inspirações que até mesmo o próprio elenco não consegue transmitir entusiasmo. Muitas coisas aqui parecem que foram chupadas de um Indiana Jones ou até mesmo Missão Impossível. Isso torna o filme que tinha tudo para ser vibrante e emocionante em algo totalmente desconexo e sem coração. 'Jurassic World: Domínio' peca ao tirar o foco da história principal. A fotografia garante momentos bonitos, com longas tomadas que não economizam no bom uso das cores e garantem um bom deslumbramento. Mas nem só de fotografia vive um filme de Jurassic World.

Se você achava que as coisas não poderiam piorar depois de 'Reino Ameaçado', aqui está 'Jurassic World: Domínio' uma experiência sem alma e paixão pela franquia original.

Portanto, Domínio é essa salada mista entre aventura e ação que simplesmente resolveu colocar os dinossauros como objetos de cena. Um elenco muito mal aproveitado, o retorno dos personagens clássicos ficam soltos diante de um roteiro falho passando a impressão de que Trevorrow não soube o que fazer com eles. No meio disso tudo, temos uma personagem nova, Kayla (DeWanda Wise) que poderia muito bem ter ganhado uma maior notoriedade, mas o filme prefere manter ela limitada e isso foi um desperdiço total. A trama apresenta muita correria, atira para todos os lados para ser um filme de ação e perseguição e esquece do principal elemento que são os dinossauros.



Faltou vida, amor, paixão e inspiração. 'Jurassic World: Domínio' não se parece com encerramento de uma franquia, ele mais é um filme do meio sem grandes pretensões e perdido com tantos elementos em mãos e mal utilizados. Trevorrow pode até ser um bom artesão, mas sua direção é espalhada e não consegue transmitir o verdadeiro significado de Jurassic Park ou Jurassic World. Domínio nada mais é do que uma estrada longa, cansativa e sinuosa.

 

Jurassic World: Domínio

Jurassic World Dominion


Ano: 2022

País: EUA/Malta

Duração: 146 min

Direção: Colin Trevorrow

Roteiro: Emily Carmichael, Colin Trevorrow

Elenco: Mamoudou Athie, Jeff Goldblum, DeWanda Wise, Campbell Scott, BD Wong, Chris Pratt, Justice Smith, Omar Sy, Sam Neill, Laura Dern, Bryce Dallas Howard

 

NOTA DO CRÍTICO: 3,5

 

Confira o trailer abaixo:


 





116 visualizações0 comentário