Adriano Bê, vocalista da Drowned Men, faz estreia solo com um disco conceitual e atmosférico

Um verdadeiro salto estelar, com todos os ingredientes necessários para se fazer música pop


Adriano Bermudês (Bê), vocalista da banda Pós-Punk mineira Drowned Men, se aventura por um caminho solo com a estreia do seu noturno e enigmático debut autointitulado, ou como ele mesmo se define nas redes sociais: "vocalista afogado da Drowned Men. Desta vez solo". Bê, é um músico e compositor carregado de lirismo, letras misteriosas, reflexivas, embasadas por uma sonoridade que abraça a ode dos anos 80, sua música adota elementos de bandas como: Joy Division, The Cure, Echo & The Bunnymen e The Simths. Ele consegue atrelar todas essas influências em uma música autoral agridocemente incrível, são melodias nostálgicas, acordes profundos e melancólicos. A voz excêntrica de Adriano, conduz o ouvinte literalmente para atmosfera soturna e gótica do Pós Punk mineiro.


Não é por menos, um músico veterano na cena alternativa Belo Horizontina, além da Drowned Men, ele já participou de inúmeros projetos como: Kaust, Ecos No Escuro, Sinnatras, Carol Nas Nuvens e outras. Portanto, toda essa bagagem, conhecimento musical, influências distintas e um domínio exuberante da língua inglesa agregam sua sonoridade de maneira emblemática. O disco de estreia solo foi lançado ontem (29), pela plataforma de streaming Plainsong, com curadoria do atento e cuidadoso Armando Louder, que inclusive, cuidou da bela arte da capa do disco que consegue transmitir muito bem a atmosfera do álbum, com isso, se torna um cartão de visitas convidativo para que você possa adentrar nas nove faixas do trabalho onde Bê faz jus ao seu legado musical.


Muito dessas características já ficam bem claras e evidentes na faixa de abertura "Reprises", uma canção melódica que soa atmosférica e nostálgica, Adriano não nega suas raízes, pelo contrário, ele consegue diluir tudo isso de um ângulo mais amplo, conceitual e carregado de nuances misteriosas que instigam o ouvinte a mergulhar de cabeça em uma paisagem sombria que lembra muito Siouxsie and The Banshees. "Adrenaline" segunda faixa do debut é uma canção agridoce com um certo ar introspectivo, mas ancorada por uma autoconfiança absoluta; vocal doce e uma sonoridade noturna que acaba dando um verdadeiro chute na beleza radiante do pop, algo bem no modo Robert Smith do The Cure.


O álbum de estreia solo de Adriano Bê transita por camadas poderosas, elementos suaves, densos e radiofônicos, uma sequência de ruídos excêntricos em "Time Doesn't Wait and Death Is A Hurry" parecem exorcizar o paraíso da música pop dos anos 80, através de camadas oníricas que aderem uma certa urgência condenada, escorada em uma faixa macabra e sutil, sem perder sua sensibilidade e autenticidade.

O que torna esse disco um misto de protestos e tumultos, conflitos e mudanças. Uma mistura singular de passado, presente e futuro. Um estilo próprio, marcado por uma explosão sonora e visual, cabelos revoltos, Ray-Bans, e luzes penetrantes ao estilo dos irmãos Reid do Jesus and Mary Chain.

Em "As Mesmas Mentiras" a voz de Bê transborda por uma melodia nostálgica e bonita, ambiências e escuridão caminham lado a lado para te proporcionar inúmeras viagens pelos mais inusitados pensamentos. O trabalho solo desse artista genuíno se torna um agrado imediato, um disco com aquele sabor único da cultura pop. Se trata de mais um trabalho que fortalece ainda mais o cenário alternativo e a música independente. Algo distinto das grandes massas que predominam por aí.


"Another Day Like Any Other" resume tudo isso em pouco mais de dois minutos, a mistura perfeita entre The Cure e Jesus And Mary Chain. Um verdadeiro salto estelar, com todos os ingredientes necessários para se fazer uma música pop daquelas que ficam por tempos rodando em sua cabeça. "I love when you break me/And love your contempt".


Um álbum bonito e excêntrico de melodias apaixonadas, vindo de um músico e compositor com muito a dizer sobre os nossos tempos de modernidade.

 

Adriano Bê


Lançamento: 29 de julho de 2022

Gênero: Indie Rock, Pós-Punk, Dream Pop

Ouça: "Another Day Like Any Other", "Reprises" "As Mesmas Mentiras"

Humor: Atmosférico, Noturno, Melancólico


 

NOTA DO CRÍTICO: 8,0

 

OUÇA NA PLAINSONG :
















 

VEJA O CLIPE DE "SOLDADOS E FUZIS


 


67 visualizações0 comentário