top of page

Morre Sacheen Littlefeather, atriz e ativista que recusou o Oscar de Marlon Brando

Em agosto deste ano, a Academia tornou pública uma carta enviada a Littlefeather, pedindo desculpas pelo “abuso que [ela] sofreu” após seu discurso histórico no Oscar de 1973

Crédito: Frazer Harrison via Getty Images

Sacheen Littlefeather, atriz, modelo e ativista dos direitos civis, nativa americana mais conhecida pela aparição histórica que fez na 45º edição do Oscar — morreu aos 75 anos.

 


 

Sua morte foi confirmada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Em um comunicado compartilhado com o The Hollywood Reporter, um zelador de Littlefeather disse que ela morreu ao meio-dia de domingo (2 de outubro), cercada por entes queridos em sua casa na cidade de Novato, no norte da Califórnia. A causa exata da morte não foi confirmada, no entanto, Littlefeather há muito tempo falava sobre suas lutas com diversos problemas de saúde.


Em 2018, ela desenvolveu câncer de mama em estágio quatro, que evoluiu de um diagnóstico anterior do qual ela estava em remissão desde 2012. No ano passado, ela disse ao The Guardian que seu câncer havia criado metástase para o pulmão direito, deixando-a em estado terminal.


Apenas duas semanas atrás, em uma cerimônia realizada pela Academia em homenagem a Littlefeather, ela reconheceu que sua morte seria iminente: “Eu estou cruzando em breve para o mundo espiritual. E você sabe, eu não tenho medo de morrer. Porque viemos de uma sociedade nós/nós/nossa. Nós não viemos de uma sociedade eu/eu/mim mesmo. E aprendemos a doar desde muito cedo. Quando somos honrados, damos.”

 


 

Essa cerimônia aconteceu depois que Littlefeather se reconciliou publicamente com a Academia, 49 anos depois de sua polêmica demonstração de protesto no Oscar de 1973. Lá, ela subiu ao palco para rejeitar o prêmio de Melhor Ator em nome de Marlon Brando, que ganhou o título por seu trabalho em O Poderoso Chefão. Na época, Brando boicotou a vitória por conta da deturpação de Hollywood dos nativos americanos e enviou Littlefeather para a cerimônia em seu lugar.


Sua aparição marcou a primeira vez que uma mulher nativa americana subiu ao palco do Oscar, mas sua presença foi rapidamente recebida com vaias da plateia. “[Brando] lamentavelmente não pode aceitar este prêmio tão generoso”, disse Littlefeather durante o discurso, “as razões para isso, é o tratamento dos índios americanos hoje pela indústria cinematográfica e na televisão”.


Em agosto deste ano, a Academia tornou pública uma carta enviada a Littlefeather, pedindo desculpas pelo “abuso que [ela] sofreu” na sequência do discurso. Escrita pelo presidente da Academia, David Rubin, em junho, a carta reconheceu que a recepção a Littlefeather — tanto durante a cerimônia quanto entre Hollywood nos anos seguintes — “foi injustificada”.


“A carga emocional que você viveu e o custo para sua própria carreira em nossa indústria são irreparáveis. Por muito tempo a coragem que você mostrou não foi reconhecida. Por isso, oferecemos nossas mais profundas desculpas e nossa sincera admiração”, escreveu Rubin.

Em uma resposta pública compartilhada por Littlefeather, a atriz e ativista disse: “Nós índios somos pessoas muito pacientes — faz apenas 50 anos!”


Nascida em 14 de novembro de 1946, Littlefeather se envolveu no ativismo dos direitos dos nativos americanos em 1969 — mesmo ano em que se mudou para São Francisco para seguir a carreira de modelo — quando se juntou ao United Bay Indian Council.


No ano seguinte, ela participou da ocupação de 19 meses de Alcatraz. Foi lá que ela adotou o nome Sacheen Littlefeather, com 'Sacheen' sendo o nome que seu pai a chamaria antes de morrer, e 'Littlefeather' referindo-se a uma pena real que ela usaria em seu cabelo.


Littlefeather começou a atuar no mesmo ano em que apareceu no Oscar de 1973. Seu primeiro papel foi uma participação especial no filme policial ítalo-espanhol Il Consigliori (Counselor At Crime em inglês). Seu primeiro filme americano foi o thriller neo-noir The Laughing Policeman, também lançado em 1973. Como seu papel no ano seguinte Freebie And The Bean, sua aparição no filme não foi creditada.

 


 

Seu primeiro papel creditado veio em 1974 com The Trial Of Billy Jack, no qual ela estrelou como Patsy Littlejohn. Ela viria a estrelar mais três filmes — Johnny Firecloud e Winterhawk em 1975, depois Shoot The Sun Down em 1978 — antes de se aposentar da indústria. Ela, no entanto, apareceu em dois documentários: Real Injun em 2009 e um curta de 2018 baseado em sua própria vida, Sacheen: Breaking The Silence.

 

43 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page