top of page

Barbie, dirigido por Greta Gerwig, foi um grande sucesso e quebrou recordes em 2023

Mesmo assim, os grandes estúdios optaram por dar a maior parte dos seus grandes projetos a diretores masculinos.

Diretora de Barbie, Greta Gerwig
Imagens Getty


Barbie, dirigido por Greta Gerwig, não apenas se destacou como a principal arrecadadora nas bilheteiras do ano, mas também entrou para a história como o filme de maior sucesso financeiro dirigido por uma mulher. Apesar do êxito extraordinário da obra, os grandes estúdios privilegiaram cineastas masculinos ao conceder a maioria de seus principais projetos a diretores do sexo masculino, conforme relatado pela Variety.


Um recente estudo conduzido pelo Centro para o Estudo das Mulheres na Televisão e no Cinema da Universidade Estadual de San Diego chegou à conclusão de que apenas 16% dos diretores nos 250 filmes de maior bilheteria eram mulheres. Esse número representa uma diminuição em comparação com os 18% registrados em 2022. Observou-se uma melhora modesta à medida que se analisa as posições mais altas na lista de filmes mais rentáveis, com as cineastas tomando decisões em 14% dos 100 filmes principais, um aumento em relação aos 11% registrados em 2022.



As constatações surgem em um momento em que diretoras notáveis, como Gerwig, Emerald Fennell de Saltburn, Celine Song de Vidas Passadas e Sofia Coppola de Priscilla, lançaram alguns dos filmes mais destacados e elogiados do ano. Além disso, artistas pop renomadas como Beyoncé e Taylor Swift lideraram as bilheterias com filmes-concerto.


Apesar do sucesso tanto crítico quanto comercial, as oportunidades de emprego para mulheres não apresentaram melhorias significativas em funções-chave. De maneira geral, as mulheres representaram apenas 22% dos diretores, escritores, produtores, produtores executivos, editores e diretores de fotografia envolvidos nos 250 filmes de maior bilheteria, indicando uma queda em relação aos 24% registrados em 2022. Adicionalmente, 75% dos filmes de maior bilheteria contaram com a presença de 10 ou mais homens ocupando papéis cruciais nos bastidores, enquanto apenas 4% tiveram 10 ou mais mulheres nessas posições.



“É a ilusão definitiva, o triunfo merecido de Greta Gerwig desmente a desigualdade que permeia a indústria cinematográfica convencional”, afirmou a Dra. Martha Lauzen, autora do relatório e fundadora e diretora executiva do centro, em um comunicado. "Os números contam a história. A proporção de gênero nos bastidores de Hollywood continua dramaticamente distorcida em favor dos homens.”

16 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page