top of page

'Vou Ficar Neste Quadrado' atesta a irreverência, ousadia e criatividade da portuguesa Ana Lua Caiano

"Vou Ficar Neste Quadrado" (2024), embora tenha apenas 27 minutos, revela uma cantora ousada, irreverente e cercada de ideias.

Ana Lua Caiano
Foto: Divulgação


A música que é feita em Portugal ainda caminha bem distante do Brasil. Se fizer uma enquete sobre 10 bandas/artistas importantes que existem hoje na terra de Camões, com certeza a maioria não conseguiria fazer uma lista (e isso inclui o próprio autor dessa resenha).

 

Convenhamos que talvez a própria música de Portugal fica mais restrita à Europa. E também, o português carregado de nossos colonizadores não é de tão fácil assimilação assim. Ana Lua Caiano é uma produtora, cantora e compositora de 24 anos que chega mostrando muito fôlego e ideias inovadoras para a música que acontece no país que nos deixou a poesia de Fernando Pessoa.



Ela começou a tocar piano com 5 anos de idade. Quando jovem, participou como vocalista de algumas bandas independentes. Mas, durante a pandemia de Covid-19, a artista descobriu que poderia seguir por conta própria. "Cheguei Tarde a Ontem", o EP de estreia com 6 faixas, seria lançado em 2022. No ano seguinte, "Se Dançar É Só Depois", o segundo EP chegaria com mais 6 canções.

 

Agora é a vez do lançamento do tão aguardado début. "Vou Ficar Neste Quadrado" (2024), embora tenha apenas 27 minutos, revela uma cantora ousada, irreverente e cercada de ideias, mesmo que muitas delas estejam voltadas para uma sonoridade mais experimental e que fuja um tanto do lugar comum.

 

Produzindo e tocando todos os instrumentos presentes no disco, a versatilidade de Ana chega por meio de bases eletrônicas sobrepostas, camadas vocais criativas e gêneros que se embolam sem contraindicações como Hip Hop, Trip Hop, Pop-Rock e Kraut-Rock. Também não tem medo de deixar suas influências e inspirações impressas que englobam desde Portishead até Bjork.


Mesmo as vinhetas do álbum (‘Em Direção Ao Sul’ e ‘Bom, Vai Ficar Assim Por Hoje’) mostram uma artista exalando sua criatividade. Canções com menos de um minuto, mas que trazem uma diversidade ao álbum mostrando colagens sonoras de murmúrio de vozes, chiados, ruídos, barulhos de máquinas.   

 

‘O Bicho Anda Por Aí’ é um Trip Hop desconcertante, com uma batida grave que se acentua e que comprova o domínio da cantora com a Eletrônica. Tanto que ‘De Cabeça Colada Ao Chão’ e ‘Que Belo Dia Para Sair’ chegam repletas de uma influência Kraftwerkiana (para nosso deleite). ‘Vou Ficar Neste Quadrado’ é uma faixa onde Ana transforma complexas camadas vocais numa espécie de instrumento dentro da composição.

 

O piano, instrumento tão bem dominado por Ana, estrategicamente chega com sua melodia sombria/estranha dentro de uma sonoridade que pretende se afundar num cenário caótico ou que pretende ser mais explosivo, caso de ‘Ando Em Círculos’ e ‘Os Meus Sapatos Não Tocam Nos Teus’. Essa segunda faixa citada possui uma letra simples, porém inteligente e humorada, descrevendo como alguns relacionamentos amorosos não combinam.



Ana Lua Caiano, apesar de nova, chega com um talento de cantora madura e experiente, deixando Portugal um pouco mais na rota de bom celeiro musical. Agora o ouvinte não pode dizer que não exista algum artista português que ele não conheça e goste. Que tal começar por essa cantora?

 

Vou Ficar Neste Quadrado

Ana Lua Caiano


Ano: 2024

Gênero: Eletrônico, Hip Hop, Pop Rock, Trip Hop

Ouça: 'O Bicho Anda Por Aí', 'Os Meus Sapatos Não Tocam Nos Teus'

Humor: Irreverente, Inteligente

Pra quem curte: Bjork, Rita Vian, Sofia Freire


 

NOTA DO CRÍTICO: 8,0

 


 


74 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page