Unabomber traduz a montanha russa do Brasil nos últimos anos com o single “Carrossel”


Crédito: Jay Roxx

O peso dos riffs da Unabomber ressoam em meio à letra furiosa de “Carrossel”. Embora o título possa parecer otimista, a canção faz uma provocante reflexão sobre o ciclo de mortes, descaso e desilusão do Brasil nos últimos anos, em especial em meio a uma pandemia. Nome de destaque do underground do Rio de Janeiro desde a década de 90, o grupo se volta mais uma vez para seu potencial político e social com uma música para os tempos atuais.


“Carrossel” é uma sequência perfeita de “O Carro de Jagrená”, o single mais recente e uma canção-metáfora para um rolo compressor de destruição que se tornou sinônimo de Brasília. Agora, Unabomber toma como ponto de partida a vontade de criar uma música solar, porém se vendo impossibilitada diante do cenário corrente.


Bloc Party estreia novas músicas em show vibrante em Londres


Expoente do rock fluminense das últimas décadas, Unabomber faz canções que convidam à reflexão. As críticas sociais fazem parte do DNA do grupo, como é notório em faixas como “Silêncio” e “A Celebração da Peleja entre o Molotov e a Máquina”.


Originária da Baixada Fluminense e formada por André Luz (voz), Alan Vieira (baixo), Sandro Luz (guitarra) e Paulo Stocco (bateria), Unabomber estreou em 1996 com uma demotape homônima. Já a segunda fita, intitulada “R” e lançada no ano seguinte, contou com a produção do então iniciante Rafael Ramos (DeckDisc, Dead Fish, Pitty, Titãs). Após mais três anos de muitos shows, o grupo encerrou as atividades.


Quase 18 anos depois, eles retornaram à cena com o EP “Massas & Manobras S/A” (2017), onde fazem uma releitura de faixas das duas demos dos anos 90. Na sequência, em meio ao xadrez sociopolítico contemporâneo, compõem e lançam o single inédito “Silêncio”. Já em 2018, apresentam “Pesadelo”, de Paulo César Pinheiro e Maurício Tapajós, gravada originalmente pelo MPB4, em 1972. No ano seguinte, incorporaram à sua discografia o EP “O Mal da Máquina Morre”.


Em parceria com a rapper paulistana Flor MC, lançam o single “João 8:32”. Mais recentemente, a banda abordou a questão indígena com uma versão da clássica “Canoa Canoa”, do Clube da Esquina. Além disso, Unabomber trouxe um olhar sobre as contradições humanas no single “Maciota”. Por fim, dialogou com a questão do turismo espacial em “Spaceshit”.


Com “O Carro de Jagrená”, Unabomber revelou mais um single dessa já extensa discografia, se voltando para problemas terrenos. E, com “Carrossel”, inaugura os lançamentos de 2022 com versos afiados sobre o presente - e de olho no futuro.


Confira o vídeo de "Carrossel" logo abaixo:


 

Acompanhe a gente também nas redes sociais, Teoria Cultural para mais informações sobre o mundo da cultura pop.


16 visualizações0 comentário