Neil Young encoraja funcionários do Spotify a ficarem longe daquele lugar


Prosseguindo sua disputa com o Spotify sobre seu suposto apoio à desinformação em relação às vacinas, Neil Young encorajou os trabalhadores da plataforma – assim como outros músicos – a se afastarem da gigante do streaming.


“Estamos vivendo a era da comunicação, e a desinformação é um problema sério”, escreveu ele em um comunicado em seu site ontem (7 de fevereiro). “Abandone os desinformantes. Encontre um bom lugar que seja limpo e que tenha verificações mensais sobre seus conteúdos. Você tem o verdadeiro poder. Use-o.


“Para os baby boomers, digo que 70% dos ativos financeiros do país estão em suas mãos, em comparação com apenas cerca de 5% para os millennials. Você e eu precisamos liderar.”


Young ainda fez várias críticas aos principais bancos americanos – em particular Chase, Citi, Bank of America e Wells Fargo – por seu “financiamento contínuo aos danos dos combustíveis fósseis, mesmo quando a temperatura global continua subindo”, e pediu que seus fãs seguissem o exemplo. Cessando seu apoio a tais empresas.

O célebre folk-rocker continuou: “Junte-se a mim enquanto eu movo meu dinheiro para longe dos causadores de danos ou você involuntariamente será um deles. Você tem o poder de mudar o mundo. Nós podemos fazer isso juntos. Seus netos vão agradecer na história.

“Para os músicos e criadores do mundo, eu digo isso: você deve ser capaz de encontrar um lugar melhor do que o Spotify para ser o lar de sua arte. Para os trabalhadores do Spotify, digo que Daniel Ek é seu grande problema – não Joe Rogan. Ek puxa as cordas. Saia desse lugar antes que ele coma sua alma. Os únicos objetivos declarados por Ek são sobre números – não arte, não criatividade.


“Observe que Ek nunca menciona os profissionais médicos que iniciaram essa conversa. Olhe, uma última vez nas declarações que Ek fez. Então seja livre e siga o bom caminho.”

A batalha de Young com o Spotify começou no final de janeiro, quando ele exigiu que sua música fosse retirada do streaming. Ele afirmou em uma carta aberta à sua administração que conteúdos como o podcast Joe Rogan Experience “espalham informações falsas sobre vacinas”. O Spotify preferiu Rogan, e confirmou em 26 de janeiro que o conteúdo de Young seria de fato removido da plataforma.


Depois que seu catálogo foi retirado do Spotify, Young compartilhou uma declaração alegando que, sem sua presença na plataforma, ele perderia 60% de sua receita de streaming. Embora tenha admitido que foi “uma grande perda” para suas gravadoras, Warner e Reprise, ele agradeceu por “reconhecer a ameaça [que] a desinformação do COVID no Spotify representava para o mundo”.


Rogan falou publicamente sobre a reação, compartilhando um vídeo abordando “algumas das controvérsias que estão acontecendo nos últimos dias”. Ele disse aos fãs no Instagram: “Nem sempre acerto. Farei o meu melhor para tentar equilibrar esses pontos de vista mais controversos com as perspectivas de outras pessoas, para podermos encontrar um ponto de vista melhor.


Na semana seguinte à centelha da controvérsia, o Spotify perdeu mais de US$ 2 bilhões em valor de mercado. Embora o serviço tenha parado de remover o conteúdo que divulgava falsidade em torno da vacina COVID-19, ele começou a adicionar avisos de conteúdo a todos os episódios de podcast relevantes que abordam a pandemia.


De acordo com um estudo independente, 19% dos usuários do Spotify cancelaram suas assinaturas desde o início da confusão.

 

Sobre Marcello Almeida

É editor e criador do Teoria Cultural.

Pai da Gabriela, Técnico em Radiologia, flamenguista, amante de filmes de terror. Adora bandas como: Radiohead, Teenage Fanclub e Jesus And Mary Chain. Nas horas vagas, gosta de divagar histórias sobre: música, cinema e literatura, e curtir as aventuras do cão Dylan. marce.almeidasilvaa@gmail.com




 

6 visualizações0 comentário