Mundo da música e do entretenimento reage ao ataque da Rússia na Ucrânia


Uma visão geral de uma Praça da Independência quase vazia em 24 de fevereiro de 2022 em Kiev, Ucrânia. Da noite para o dia, a Rússia iniciou um ataque em larga escala à Ucrânia, com explosões relatadas em várias cidades e muito fora das regiões orientais inquietas mantidas por rebeldes apoiados pela Rússia. (Foto: Chris McGrath/Getty Images)
Uma visão geral de uma Praça da Independência quase vazia em 24 de fevereiro de 2022 em Kiev, Ucrânia. Da noite para o dia, a Rússia iniciou um ataque em larga escala à Ucrânia, com explosões relatadas em várias cidades e muito fora das regiões orientais inquietas mantidas por rebeldes apoiados pela Rússia. (Foto: Chris McGrath/Getty Images)

Figuras do mundo da música e do entretenimento compartilharam suas reações e sentimentos depois que as forças russas lançaram um ataque militar à Ucrânia nas primeiras horas desta manhã (24 de fevereiro).


A Ucrânia rompeu oficialmente os laços diplomáticos com a Rússia e declarou lei marcial depois que o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou um ataque à nação vizinha, com a Ucrânia dizendo que Putin havia “lançado uma invasão em larga escala da Ucrânia” (via BBC News).


Veículos militares russos teriam violado a fronteira ucraniana em vários locais, inclusive da vizinha Bielorrússia, enquanto ataques aéreos a posições militares e postos de fronteira ucranianos foram relatados.


As ações de Putin, que alegou que a Rússia não pretende ocupar a Ucrânia e que as ações de seu país equivalem a uma “operação militar especial”, atraíram condenação generalizada em todo o mundo.


A AP relata que enquanto as potências globais estão preparando novas e fortes sanções contra a Rússia, uma intervenção militar coordenada para defender a Ucrânia não está sendo considerada atualmente.

O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu sanções “severas” à Rússia, dizendo em comunicado que a Ucrânia está “sofrendo um ataque não provocado e injustificado das forças militares russas” e que “Putin escolheu uma guerra premeditada que trará uma perda catastrófica de vidas e sofrimento humano".

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse que a eclosão do conflito na Ucrânia foi uma “catástrofe para o nosso continente”. Ele deve fazer um discurso à nação esta manhã antes de falar hoje com outros líderes do G7.


As reações à situação na Ucrânia de figuras proeminentes nos mundos da música, entretenimento e política foram postadas nas mídias sociais esta manhã, com nomes como Yannis Philippakis do Foals, Oli Sykes do Bring Me The Horizon, Alex Kapranos do Franz Ferdinand, o prefeito de Londres, Sadiq Khan, Taika Waititi e Amanda Palmer, todos em apoio à Ucrânia.


Em um longo post, o líder do Franz Ferdinand, Alex Kapranos, escreveu:

 

“Meu coração está com o povo da Ucrânia e condeno inequivocamente a invasão do Estado russo. Tive a sorte de passar um tempo nas belas cidades de Kiev e Odessa quando toquei lá com nossa banda. As pessoas que conheci eram calorosas e minhas boas lembranças agora estão tingidas de uma tristeza indescritível ao ver o que está acontecendo.”
 

Ele continuou: “A Ucrânia não representava ameaça para a Rússia. Não pense que Putin pretende parar em suas fronteiras. São as fronteiras da URSS, no mínimo, que ele procura. Sinto pelo povo da Rússia também, particularmente as pessoas que conheci ao longo dos anos que conheço que estão horrorizadas com esta ação e sabem quais são as terríveis consequências dessa ação para eles. Para todos nós.


“Em última análise, este será o fim para Putin. Mas a que custo horrível?”

A Ucrânia, que tem uma população de 44 milhões de pessoas, faz fronteira com a Rússia e a União Europeia. Como relata a BBC, a Rússia há muito resiste ao movimento da Ucrânia de abraçar instituições europeias como a OTAN e a UE. Putin agora exige garantias do Ocidente e da Ucrânia de que não ingressará na OTAN, uma aliança defensiva de 30 países, e que a Ucrânia se desmilitarize e se torne um estado neutro.


A Al Jazeera relata que o Ministério da Defesa da Rússia afirmou que seus ataques aéreos à Ucrânia não visavam cidades e não representavam ameaça a civis, enquanto a Ucrânia informou que pelo menos oito pessoas foram mortas e nove ficaram feridas por bombardeios russos durante a noite.

 

29 visualizações0 comentário