top of page

Lucy Rose - This Ain't The Way You Go Out: versátil, dinâmico, bem executado e produzido

Os cinco anos que separam "This Ain't the Way You Go Out", seu mais recente álbum, de "No Words Left", seu trabalho anterior, representaram até agora o intervalo mais longo de um disco para outro na carreira da cantora, mas há uma explicação para isso.

Lucy Rose
Foto: Josh Shinner


Lucy Rose deu início à sua jornada na música enquanto estudava geografia na Universidade de Warwick. Foi durante esse período que ela teve a oportunidade de colaborar com a banda Bombay Bicycle Club, contribuindo com seus vocais de apoio em diversas músicas e participando de turnês ao lado deles. A voz suave e melódica de Lucy adicionou uma dimensão única ao som da banda, destacando-se por sua presença serena e cativante. Essa colaboração não apenas ampliou o alcance de sua música, mas também trouxe reconhecimento para suas próprias habilidades vocais e composicionais.


A música de Lucy Rose é frequentemente descrita como sincera e emotiva, revelando-se através de letras que exploram temas profundos como relacionamentos, autodescoberta e as complexidades da vida cotidiana. Ela não teme explorar os altos e baixos da vida, abordando temas como amor, perda, esperança e crescimento pessoal com uma sinceridade genuína por meio de músicas sempre acessíveis e que se mantém ressoantes, entregando geralmente trabalhos que fazem com que seus ouvintes de sintam realmente conectados a eles.



Os cinco anos que separam This Ain't the Way You Go Out, seu mais recente álbum, de No Words Left, seu trabalho anterior, representaram até agora o intervalo mais longo de um disco para outro na carreira da cantora, mas há uma explicação para isso. Esse período refletiu não apenas a resiliência de Lucy Rose como artista, mas também ilustrou bem a sua determinação em superar desafios pessoais significativos. Um diagnóstico raro de osteoporose relacionada à gravidez certamente representou um obstáculo horrível na sua vida.


Apesar de tudo, ao longo desse período, Lucy não apenas enfrentou essa adversidade, mas também encontrou uma nova fonte de inspiração e expressão criativa. De certa forma, a experiência de lidar com a dor física e emocional, proporcionou uma nova profundidade dramática em sua música, marcando um capítulo tocante em sua carreira artística, enriquecido pela sabedoria adquirida ao atravessar desafios únicos que viraram objetos de inspiração.


Light As Grass, já inicia o disco entregando uma visão profunda das emoções e das complexidades interpessoais. Uma peça de influências jazzísticas que é movida pela liderança do piano – que é o principal instrumento do disco. Could You Help Me possui bastante swing e novamente o piano é o carro chefe, enquanto discorre sobre validação emocional e o estabelecimento de conexões significativas com os outros, além de ter que lidar com seus fantasmas internos. Dusty Frames tem uma atmosfera etérea, com um piano suave e vocais lindos, explorando um tema lírico que apela por compaixão, amor e transformação, buscando encontrar redenção e significado mesmo nas dificuldades da vida.



Whatever You Want tem um início que mantem o mesmo clima deixado pela faixa anterior, então é acrescida algumas batidas médias, enquanto isso, Lucy discorre sobre uma busca pela autenticidade e verdade nas experiências vividas. Interlude I, o primeiro dos dois interlúdios do disco é uma peça animada e quase dançante. Life's Too Short possui uma atmosfera alegre e vibrante, ao mesmo tempo em que ressalta a brevidade da vida, transmitindo uma mensagem de perseverança, otimismo e concentração no agora.


This Ain't The Way You Go Out, liricamente demonstra a força do espirito humano diante das adversidades e o quanto isso pode ajudar no crescimento e na própria renovação, sendo que musicalmente é de uma enorme delicadeza, além de intimista e de interpretação vocal confortante. Over When It's Over se destaca por sua batida animada e contagiante e que entrega uma combinação harmônica alegre. Existe uma forte ênfase na importância de persistir e continuar buscando uma vida melhor, mesmo quando enfrentamos desafios bastante sólidos.



Sail Away é outras das peças mais jazzísticas e uma das mais marcantes do disco, possuindo ritmos suaves e melodias envolventes que desfilam elegantemente sob uma letra solene onde o foco é a celebração do amor duradouro e da determinação de seguir em frente. Interlude II tem uma leve batida liderada por piano e que ganha uma certa fofura por meio de alguns sons de um bebê.


No More possui bastante leveza, além de ser muito bem arranjada para manter um equilíbrio entre a simplicidade e a emotividade em uma letra que, aborda o desgaste emocional decorrente de desentendimentos repetidos e a batalha para alcançar paz interior. The Racket é a última e mais animada do álbum, também pudera, soa como uma espécie de gratidão pela vida e uma celebração da nossa força interior.



Dada todas as circunstancias, considero afirmar que Lucy Rose entregou o seu melhor disco após um momento delicado em sua vida pessoal. This Ain't the Way You Go Out é tudo aquilo que podemos esperar de Lucy caso ela esteja em seu melhor, um álbum versátil, dinâmico, bem executado e produzido. Mostrando uma artista que soube muito bem assumir uma capacidade de transformar desafios pessoais em expressões criativas excelentes.

 

This Ain't the Way You Go Out

Lucy Rose


Ano: 2024

Gênero: Neo Soul, Sophisti-pop, Indietronica

Ouça: "Light As Grass", "Over When It's Over", "Sail Away", "The Racket"

Pra quem curte: Billie Marten, Birdy, Laura Marling



 

NOTA DO CRÍTICO: 8,5

 

Ouça "Light As Grass"


21 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page