top of page

Halo Maud – Celebrate: um álbum que se caracteriza por sua fluidez extremamente agradável

Cada faixa do álbum leva o ouvinte por caminhos sonoros inesperados, com melodias cativantes e belos arranjos

Halo Maud ao vivo no The Rialto, Brighton 13.10.17
Foto: Nick Linazasoro


Halo Maud é uma artista francesa cuja música emergiu na cena contemporânea como um som que combina elementos de dream pop, indie e psicodelia. Nascida como Maud Nadal, ela vem de uma família com forte envolvimento na música, o que influenciou profundamente sua carreira. Antes de seguir carreira solo, Halo Maud foi parte integrante do grupo Melody's Echo Chamber, colaborando como tecladista e vocais de apoio. Essa experiência coletiva moldou sua abordagem singular, servindo como inspiração para sua guinada em direção a uma carreira solo.


As músicas apresentam letras introspectivas que ecoam temas de identidade, emoção e reflexão. Halo é mestre em criar um ambiente sonoro envolvente, onde melodias etéreas se entrelaçam com batidas cativantes e arranjos bem confeccionados. No geral, sua música convida o ouvinte a mergulhar em um universo sonoro que é ao mesmo tempo familiar e original.


Celebrate é um disco que mescla diferentes estilos como pop, rock e shoegaze com sutilezas neo psicodélicas e elementos indie/pop psicodélicos de uma forma organizada e adequada. Cada faixa do álbum leva o ouvinte por caminhos sonoros inesperados, com melodias cativantes e belos arranjos. A presença do shoegaze adiciona uma vibe etérea e sonhadora, enquanto as incursões indie e pop psicodélica acrescentam uma profundidade emocional à música.



É impressionante a habilidade que Halo consegue unir todas essas influências de forma coesa, criando uma experiência auditiva que é ao mesmo tempo familiar e de certa forma inovadora. É como se cada música fosse um universo próprio, cheio de nuances e cores sonoras. A diversidade de estilos certamente proporciona uma jornada musical adorável.


A alternância linguística entre francês e inglês encontrada no disco realmente adiciona uma dimensão artística extra à música. Essa mistura de idiomas não apenas enriquece a experiência auditiva, mas também pode transmitir uma variedade de significados e emoções que talvez não seriam possíveis com apenas um idioma. A alternância entre o francês e o inglês cria um contraste sonoro interessante, afinal, cada idioma tem suas próprias características fonéticas e ritmos distintos, o que acaba influenciando a musicalidade da canção.


A faixa título apresenta uma interessante variação entre a serenidade quase acústica e a energia elétrica, criando uma dinâmica envolvente ao longo da música. Terres Infinies entrega um riff envolvente de guitarra, seção rítmica vibrante e vocais dóceis. My Desire is Pure evoca uma atmosfera que parece transportar o ouvinte para um cenário vívido e emocionante. Imaginar Halo cantando essa música pelas ruas de Paris adiciona uma camada interessante de visualização.



Last Day Song possui inicialmente uma batida eletrônica cativante, linhas vibrantes de baixo e uma guitarra envolvente que trabalham juntos e de forma harmoniosa sob a voz melancólica de Maud. Slowly Sulery tem uma batida soul que proporciona uma base rítmica rica e suave, além de um trabalho bem acentuados de sintetizadores e um dos melhores refrãos do disco. Catch The Wave se destaca principalmente por conta do trabalho de teclas, que é o mais interessante de todo o disco. Eles criam uma paisagem sonora rica e sofisticada.


Lec ciel est grand é uma vinheta ao piano de cerca de um minuto. You Float é uma faixa pop que possui um ótimo duo de Maud com o convidado Greg Saunier. A música captura muito bem a essência do pop contemporâneo com ótimas melodias e uma produção polida. À Te Voir, a maior parte da música é muito melosa, confesso que não me agradou, mas com a entrada dos demais instrumentos acabou tendo um final mais interessante. Iceberg é um excelente cover de uma música gravada originalmente por Genevieve Letarte, onde Maud colabora com Flavien Berger, criando uma interpretação que brilha em seu próprio mérito.


Pesnopoika é uma música sincopada que é enriquecida por um solo ácido de guitarra. É uma faixa que não só homenageia influências clássicas, mas também se estabelece como uma peça inovadora e memorável.  Entends-Tu Ma Voix é a última faixa do disco, com pouco mais de um minuto e meio de duração e se que destaca por sua simplicidade. A batida média da faixa oferece uma base rítmica constante que dá à música uma ótima sensação de fluidez e continuidade. Mas o seu maior destaque fica por conta de sua linha de baixo bastante rica e pulsante.



Celebrate é um álbum que se caracteriza por sua fluidez extremamente agradável. Cada música desempenha um papel crucial na construção dessa tapeçaria sonora. A imprevisibilidade dos arranjos ilustra que a música pode mudar de direção a qualquer instante, o que é ótimo, pois acaba proporcionando momentos de surpresa para o ouvinte. Com arranjos pouco convencionais, momentos explosivos e exuberantes, além de uma delicadeza que equilibra com as incursões mais bombásticas, Celebrate oferece uma experiência auditiva muito valiosa.

 

Celebrate

Halo Maud


Ano: 2024

Gênero: Dream Pop, Pop Psicodélico, Neopsicodelia

Ouça: "My Desire is Pure", "Slowly Sulery", "You Float", "Pesnopoika"

Pra quem curte: Katerine, Le Féline



 

NOTA DO CRÍTICO: 7,5

 

Ouça "My Desire is Pure"


154 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page