Graham Nash critica o movimento antivacina por uso não autorizado da canção "Chicago".


O músico e compositor Graham Nash, mais conhecido por suas colaborações em bandas como The Hollies e Crosby, Still, Nash & Young, rebateu e criticou o ativista negacionista Robert F. kennedy Jr, por usar sua música "Chicago" para promover um comício antivacina.

Kennedy usou a música nesse último fim de semana em uma marcha em Washington DC, para protestar contra a ciência e as vacinações contra a Covid-19. Em seu discurso ele chegou a comparar a vacinação obrigatória como algo ainda muito pior do que Alemanha Nazi. Para quem não sabe ele é sobrinho do antigo presidente dos EUA.

Em resposta a Kennedy, Nash compartilhou um post em suas redes sociais repudiando e criticando o uso não autorizado de sua canção "Chicago". De acordo com empresário dele, Mark Spector, "uma carta de cessação e desistência está em andamento, disse ele a Rolling Stone.

A canção "Chicago" também é conhecida pelo nome "We Can Change the World", a música faz parte do disco de estreia do cantor lançado em 1971, 'Songs For Beginners', e foi seu primeiro single a alcançar a posição 35º na Billboard. O título e a letra da faixa se refere aos protestos anti-guerra do Vietnã que ocorreram durante a Convenção Nacional Democrata de 1968 em Chicago e o subsequente julgamento dos Oito de Chicago, onde os líderes dos protestos foram acusados de conspirações para incitar um motim.


“O uso da minha música 'Chicago' pelo movimento de defesa da saúde infantil de Robert F. Kennedy Jr. em um vídeo para promover a manifestação de sua organização em Washington, DC amanhã não está autorizado e estou tomando medidas para causar a cessação do uso indevido”, escreveu Nash.

“Não apoio sua posição antivacinação, pois a história da eficácia das vacinas da Covid19 está muito bem documentada.”

Nash continuou: “Quando escrevi 'We Can Change the World', não esperava que uma instituição como esta, que afirma lutar pelas liberdades dos indivíduos, infringisse tão prontamente e de forma imprudente e, por sua associação com sua causa, descaracterizar os direitos de propriedade intelectual de um compositor para seus próprios propósitos.

"Acredito na ciência e nos fatos, e não apoio esse desrespeito flagrante por nenhum dos dois, nem pelos meus direitos como músico.”

O álbum solo mais recente de Nash, 'This Path Tonight', foi lançado em abril de 2016.

 

Sobre Marcello Almeida

É editor e criador do Teoria Cultural.

Pai da Gabriela, Técnico em Radiologia, flamenguista, amante de filmes de terror. Adora bandas como: Radiohead, Teenage Fanclub e Jesus And Mary Chain. Nas horas vagas, gosta de divagar histórias sobre: música, cinema e literatura. marce.almeidasilvaa@gmail.com

 








33 visualizações0 comentário