top of page

Em memória dos grandes artistas internacionais que perdemos em 2022

Nos últimos 12 meses, perdemos alguns talentos pioneiros do mundo da música

aylor Hawkins. Crédito: Rich Fury via Getty Images


Reflexões sobre o ano costumam ser sobre os bons momentos, mas também há um lado triste, como lembrar as lendas da música que morreram.


Em 2022, perdemos alguns grandes ícones, de Christine McVie, do Fleetwood Mac, ao membro do Migos, Takeoff, e uma riqueza de talentos pioneiros.


Calvin Simon (22 de maio de 1942 - 6 de janeiro de 2022)

CRÉDITO: LANDMARK MEDIA / Alamy Stock Photo

Calvin Simon, membro fundador do Parliament-Funkadelic, ajudou a conduzir o consagrado grupo através do R&B, funk, acid-rock, dentre outros gêneros, contribuindo para alguns dos álbuns mais admirados ao longo do caminho. Ele participou do clássico 'Mothership Connection' do Parliament e 'Cosmic Slop' do Funkadelic como cantor, antes de se desvincular do coletivo em 1977. Após 20 anos, ele se reuniu com o Parliament-Funkadelic durante a oração de inclusão no Hall da Fama do Rock & Roll. Simon morreu em janeiro aos 79 anos.


Ronnie Spector (10 de agosto de 1943 - 12 de janeiro de 2022)


Crédito: Getty

Ronnie Spector, ícone do pop, foi uma das fundadoras do The Ronettes, um dos grupos femininos mais importantes dos anos 60. Lançou uma carreira que ainda é relevante para a música pop (Amy Winehouse, por exemplo, a citou como sua super-heroína) Os Ronettes fizeram turnê com os Rolling Stones e os Beatles em seu auge, e cinco de suas músicas do álbum de estreia de 1964 chegaram às paradas nos Estados Unidos. Dissolveram a banda em 1967, mas voltaram a tocar juntos em 1973, com Spector no comando. Faleceu aos 78 anos, em janeiro, após uma longa luta contra o câncer.



Meat Loaf (27 de setembro de 1947 - 20 de janeiro de 2022)


Crédito: Getty

"Bat Out of Hell", primeiro disco do Meat Loaf, de 1977, figura-se entre os LPs mais vendidos de todos os tempos: é tão popular que, atualmente, ainda comercializa cerca de 200 mil cópias anualmente em todo o planeta. Não é surpreendente que tenha rendido duas sequências igualmente intensas ("Back Into Hell", de 1993, e "The Monster Is Loose", de 2006) Os amantes do rock foram presenteados com suas memoráveis e grandiosas performances vocais ao longo da carreira do cantor, as mesmas que ele exibiu em suas participações em musicais, como "Hair" e na adaptação cinematográfica de "The Rocky Horror Picture Show". Meat Loaf morreu em Nashville, Tennessee, em janeiro, aos 74 anos.


Jamal Edwards (24 de agosto de 1990 - 20 de fevereiro de 2022)


Jamal Edwards. CRÉDITO: Getty

Aos 16 anos, Jamal Edwards criou a plataforma SB.TV, que revelou Ed Sheeran, Stormzy, Dave, Jessie J, AJ Tracey e outros. Dando a novos artistas, especialmente nas áreas de grime e hip-hop do Reino Unido, um espaço importante para serem celebrados e nutridos. Edwards morreu aos 31.


Mark Lanegan (25 de novembro de 1964 - 22 de fevereiro de 2022)


Mark Lanegan – CRÉDITO: Getty

Mark Lanegan, um ídolo para muitos no mundo da música alternativa, começou sua trajetória musical como integrante da banda grunge Screaming Trees, uma das preferidas de Kurt Cobain.


Apesar de não ter alcançado o mesmo sucesso comercial do Nirvana, Lanegan era bastante admirado pelo seu trabalho com a Screaming Trees - uma carreira que ele construiu com uma série de álbuns solo e, posteriormente, colaborações com artistas como Queens Of The Stone Age, Duke Garwood e muitos outros. Após sobreviver a um terrível encontro com o COVID-19 que o deixou surdo e incapaz de andar, Lanegan faleceu em fevereiro aos 57 anos. Nenhuma causa da morte foi anunciada.




Taylor Hawkins (17 de fevereiro de 1972 - 25 de março de 2022)

Taylor Hawkins do Foo Fighters em 2016 CRÉDITO: Ashley Beliveau/Getty Images

Em março, chocou o mundo da música: o adorável e lendário baterista do Foo Fighters, Taylor Hawkins, morreu enquanto a banda estava em turnê na América do Sul, com apenas 50 anos de idade. Hawkins há muito consolidou sua posição como um ícone do rock, tanto como o stickman sorridente de Foos quanto como o baterista favorito de nomes como Slash, Brian May, Elton John, Ozzy Osbourne e outros, todos os quais ele jogou ao longo dos anos.


Dois grandes concertos com diversas celebridades em setembro demonstraram o profundo amor que músicos de todos os estilos tinham por Hawkins, e o considerável espaço que sua morte deixou.


Jordan ( 23 de junho de 1955 - 3 de abril de 2022)

Pamela 'Jordan' Rooke em 1977. CRÉDITO: Alamy

Aos 14 anos, Pamela Rooke trocou o nome para Jordan, se rebelando, anos antes de se tornar uma figura importante da cena underground de Londres nos anos 70, chamada de “Rainha do Rock”. Modelou para Vivienne Westwood, criando o visual punk W10 London com Johnny Rotten, Soo Catwoman e Siouxsie Sioux. Também foi um dos pilares dos shows do Sex Pistols, aparecendo com eles no primeiro show de 'Anarchy In The UK' em 1976.


Maisie Williams, atriz que interpretou Jordan na série de TV inspirada na banda, recentemente a imortalizou na tela. Rooke morreu em abril, aos 66 anos, depois de uma longa luta contra um câncer raro.


Naomi Judd (11 de janeiro de 1946 - 30 de abril de 2022)

CRÉDITO: Jeff Kravitz/Getty Images para CMT

A lendária artista Naomi Judd, ícone do gênero musical country, morreu um dia antes de ser homenageada no Hall da Fama, aos 76 anos de idade. Ela se consagrou na música country ao fazer parte do The Judds, banda que criou com a filha Wynonna. O grupo foi premiado cinco vezes com o Grammy e teve diversos anos de sucesso nos três principais prêmios de música country nos Estados Unidos.


Os Judds pararam em 1991 quando Naomi teve hepatite C, se reunindo em 2000 para uma turnê e novo material.


Ric Parnell (13 de agosto de 1951 - 1º de maio de 2022)


Apesar de ter tocado bateria em grupos musicais como Horse, Atomic Rooster, Nova e Stars, Ric Parnell era mais famoso pelo seu personagem Mick Shrimpton em This Is Spinal Tap. Ele se uniu ao Spinal Tap para difuminar a linha entre a ficção e a realidade quando eles fizeram uma turnê na vida real, se passando pelo irmão de Shrimpton, Ric, e colaborou para o disco de 1992 Break Like The Wind. Parnell morreu em maio aos 70 anos.


Vangelis (29 de março de 1943 - 17 de maio de 2022)

Vangelis CRÉDITO: Michael Putland

Evangelos Odysseas Papathanassiou - mais conhecido como Vangelis - é amplamente considerado um dos mais talentosos compositores do mundo. Ele ficou responsável pelas músicas de fundo de filmes como "Blade Runner" e "Carruagens de Fogo", ganhando um Oscar pelo segundo. Sendo um dos primeiros a usar a música eletrônica, Vangelis morreu de falência cardíaca aos 79 anos, em maio.


Andy Fletcher (8 de julho de 1961 - 26 de maio de 2022)

Andy Fletcher do Depeche Mode. CRÉDITO: Francesco Prandoni/Redferns

Apesar de Dave Gahan e Martin Gore serem as figuras públicas que impulsionaram o Depeche Mode, Andy Fletcher - um dos membros fundadores da banda - foi o responsável por mantê-los por trás dos bastidores. O tecladista assumiu funções de negócios para o grupo, mantendo-os ao longo dos anos e ajudando-os a manter sua posição como uma das bandas mais influentes da música eletrônica. Fletcher morreu em maio, aos 60 anos, por causa de uma dissecção da aorta.


Ronnie Hawkins (10 de janeiro de 1935 - 29 de maio de 2022)

Ronnie Hawkins. Crédito: Getty Images.

O músico canadense de rockabilly Ronnie Hawkins, conhecido por sua música e presença de palco grandiosa, também era notável pelas atitudes que cultivava. Ele formou o The Hawks no início dos anos 60 e orientou seus músicos de apoio, que incluíam Robbie Robertson, Rick Danko e Garth Hudson.


Eles viajaram para os Estados Unidos, apoiando Bob Dylan e formando uma das bandas mais influentes do rock, The Band. Quando foram introduzidos no Hall da Fama do Rock & Roll em 1994, eles agradeceram "The Hawk" por reuni-los e ensiná-los o "código da estrada" . Hawkins morreu em maio aos 87 anos após uma doença.


Julee Cruise (1 de dezembro de 1956 - 9 de junho de 2022)

Julee Cruise em 2015 CRÉDITO: Amy T. Zielinski/Redferns

Julee Cruise era, principalmente, uma figura de culto cujo nome era mencionado entre os que não acompanham o mainstream, mas era ferozmente amada por aqueles que a conheciam. Frequentemente colaborava com o compositor Angelo Badalamenti e o diretor David Lynch. Era mais conhecida por seu single 'Falling' de 1989, cuja versão instrumental se tornou a música tema de Twin Peaks de Lynch.


Cruise costumava se apresentar como cantora, mas, ao longo de sua carreira, também atuou como membro de turnê do The B-52s e trabalhou com Moby . Ela morreu em junho aos 65 anos.



Paul Ryder (24 de abril de 1964 - 15 de julho de 2022)

Happy Mondays' Paul Ryder CRÉDITO: Andrew Benge/Redferns

Paul Ryder, um dos fundadores do Happy Mondays, era essencial para a música do grupo; suas linhas de baixo, com influências funk, ajudavam a compor o som característico da banda. Apesar de ter deixado o grupo em 2001, ele voltou para a reunião de 2012 e fez uma turnê com eles até sua morte. Além de tocar com o Happy Mondays, Ryder fez turnês com o Tom Tom Club, escreveu trilhas sonoras para programas de TV e apareceu em filmes como 24 Hour Party People. Ele morreu em julho aos 58 anos.


Olivia Newton-John (26 de setembro de 1948 - 8 de agosto de 2022)

Olivia Newton-John CRÉDITO: Rodin Eckenroth/Getty Image

Mais conhecida por interpretar Sandy em Grease, Olivia Newton-John já tinha suas paixões duplas de cantar e atuar muito antes desse papel surgir. Ela lançou seu primeiro single 'Till You Say You'll Be Mine' pela Decca Records em 1966, formou a dupla de turnês Pat And Olivia, juntou-se ao malfadado grupo Toomorrow, iniciou uma carreira solo e representou o Reino Unido no Festival Eurovisão da Canção.


Antes de Grease deixá-la ainda mais eufórica em 1978. Lançou discos, fez TV e cinema, e se reuniu com John Travolta em 2012, mas morreu aos 73 anos de câncer.


Darius Campbell Danesh (19 de agosto de 1980 - 11 de agosto de 2022)

Darius Campbell Danesh em 2016 CRÉDITO: Jeff Spicer/Getty Images

Quando se apresentou no Popstars em 2001, cantando uma versão de 'Baby One More Time' de Britney Spears, Darius Campbell Danesh se tornou uma celebridade de imediato. Ele conquistou o público participando do Pop Idol um ano depois, onde ficou em terceiro lugar, atrás de Will Young e Gareth Gates.


Ele conquistou seu sucesso ao ignorar o canal de talentos de Simon Cowell para estrela pop: depois de recusar um contrato com uma gravadora do juiz, Danesh alcançou o primeiro lugar com seu single de estreia 'Colourblind' quando seu primeiro álbum 'Dive In' pousou entre os 10 primeiros. Ele faleceu em agosto aos 41 anos após respirar cloroetano por acidente.


PnB Rock (9 de dezembro de 1991 - 12 de setembro de 2022)

PnB Rock em 2020. Crédito: Gilbert Carrasquillo/GC Images

Rakim Hasheem Allen, mais conhecido pelo nome artístico de rapper PnB Rock, estava em alta quando morreu em setembro. Depois de assinar com a Atlantic em 2015 após o lançamento de uma mixtape que ele escreveu enquanto cumpria pena na prisão, a estrela de 30 anos ganhou impulso com turnês com Lil Baby, participações com Lil Wayne e Quavo, e uma enorme colaboração com Chance The Rapper e Ed Sheeran na faixa 'Cross Me'.


Pouco antes de sua morte, ele criou seu próprio selo, New Lane Entertainment, sugerindo um futuro em que daria a si mesmo e a outros rappers em ascensão o controle artístico.


John Hartman (18 de março de 1950 - 22 de setembro de 2022)

CRÉDITO: Jim Steinfeldt/Michael Ochs Archives/Getty Images

John Hartman auxiliou na criação dos Doobie Brothers em 1970 como seu único percussionista. Um ano depois, Michael Hossack foi acrescentado como segundo baterista, tocando em conjunto com Hartman até que este deixou o grupo em 1979. Antes de sair, o lendário baterista fez sucesso em singles e álbuns, de 'Listen To The Music' para 'What A Fool Believes'. Hartman voltou à banda em 1987 e foi introduzido no Hall da Fama do Rock & Roll com seus ex-companheiros de banda em 2020. Ele morreu em setembro aos 72 anos.


Coolio (1 de agosto de 1963 - 28 de setembro de 2022)

Coolio se apresentando no Riot Fest em 2022. CRÉDITO: Jason Squires/FilmMagic

O rapper de LA, Coolio, ganhou notoriedade pela primeira vez como membro do coletivo de rap WC And The Maad Circle, antes de seguir carreira solo em 1994 com o álbum de estreia 'It Takes A Thief'. Esse disco lhe rendeu sucesso imediato, chegando ao oitavo lugar na Billboard 200 e o preparando para uma aclamação ainda maior um ano depois, quando lançou o duradouro e icônico hit 'Gangsta's Paradise'.


A faixa foi o single mais bem-sucedido nos Estados Unidos em 1995 e o segundo mais vendido no Reino Unido no mesmo ano, ao mesmo tempo que rendeu a Coolio seu primeiro Grammy. Ele lançou mais sete álbuns em sua carreira, incluindo o último, 'From The Bottom 2 The Top', em 2009. Ele morreu em setembro aos 59 anos por conta de um problema cardíaco.


Jerry Lee Lewis (29 de setembro de 1935 - 28 de outubro de 2022)


(Foto de Michael Ochs Archives/Getty Images)

Jerry Lee Lewis, anunciado como "o primeiro grande homem selvagem do rock'n'roll", era conhecido por suas performances de alta energia que ajudaram o rock'n'roll a se tornar uma força nos Estados Unidos nos anos 50. Depois de marcar com músicas como 'Great Balls Of Fire' e se envolver em escândalos envolvendo três de seus casamentos - incluindo um com seu primo de 13 anos - Lewis mudou de rumo para a música country, onde teve grande sucesso. Ele morreu em outubro aos 87 anos.


Takeoff (18 de junho de 1994 - 1º de novembro de 2022)


CRÉDITO: Prince Williams/Wireimage

Takeoff, o membro mais introvertido do grupo Migos, foi, sem dúvida, o mais instrumental do trio de rap, ajudando a aperfeiçoar o seu ritmo de rimas. Após inúmeros lançamentos de sucesso do grupo, ele demonstrou maturidade, crescimento e talento inquestionáveis, enquanto seu álbum solo, 'The Last Rocket' de 2018 , deu a ele sua verdadeira oportunidade de brilhar - e ele brilhou. Numerosas participações especiais com nomes como Calvin Harris, Roddy Ricch, Pop Smoke, Lil Wayne e mais destacaram ainda mais sua destreza lírica, marcando-o como um nome para quem procura versos convidados inteligentes e talentosos.


Pouco antes de sua morte, ele se juntou ao seu colega de banda do Migos, Quavo, para o álbum conjunto 'Only Built For Infinity Links', que apenas aumentou seu ímpeto crescente - algo que foi tragicamente interrompido em novembro, quando Takeoff foi assassinado a tiros, levando um herói do hip-hop moderno do mundo.


Mimi Parker (15 de setembro de 1967 - 5 de novembro de 2022)

CRÉDITO: Barry Brecheisen/WireImage

A cantora e baterista Mimi Parker se uniu ao Low pouco depois de sua criação, usando um kit composto de somente uma caixa, um prato e um tom de chão, com pincéis ao invés de baquetas. Sua voz, que se misturava à do marido Alan Sparhawk, contribuía para criar uma trilha sonora hipnótica que aumentava a sensação de silêncio e mistério que a banda transmitia.


Enquanto Low prosseguia, Parker foi ficando mais confiante à medida que assumia os vocais principais em mais músicas, incluindo 'Shame' - sua primeira vez sob os holofotes. Ela morreu em novembro, aos 55 anos, vítima de câncer de ovário.


Aaron Carter (7 de dezembro de 1987 - 5 de novembro de 2022)

Crédito: Gabe Ginsberg via Getty Images

Aaron Carter iniciou sua carreira artística e musical como uma estrela infantil, tendo lançado seu primeiro álbum em 1997, aos nove anos de idade. Seu irmão mais velho, Nick, teve uma grande participação nos Backstreet Boys, e a primeira apresentação pública solo de Carter foi abrindo para a inimitável boyband em Berlim.


O que sobrou da sua breve existência foi abalado por problemas financeiros e judiciais, além de conflitos com a sua saúde mental. Ele morreu dentro da sua residência na Califórnia, aos 34 anos, no mês de novembro.


Nik Turner (26 de agosto de 1940 - 10 de novembro de 2022)

Crédito: Evening Standard/Hulton Archive/Getty Images.

Símbolo do experimentalismo musical, Nik Turner herdou do free jazz sua paixão pela expressão sobre a expertise e decidiu incorporar essa atitude ao rock. Teve sua primeira oportunidade com Hawkwind , tocando saxofone enquanto trabalhava para eles como roadie. Mais tarde, formou e fez parte das bandas Sphynx, Inner City Unit e Space Ritual, nunca perdendo de vista seu amor pela invenção. Turner morreu em novembro, aos 82 anos.


Keith Levene (18 de julho de 1957 - 11 de novembro de 2022)

Crédito: Tom Hill/Getty Images.

Levene teve seu primeiro grande momento como um dos integrantes fundadores do The Clash. Apesar de ter sido o responsável por escolher Joe Strummer do The 101'ers, o guitarrista do norte de Londres na banda durou poucos meses antes de ser dispensado, e só foi creditado por uma música, 'What's My Name', no disco do The Clash.


Após a separação dos Sex Pistols, o vocalista John Lydon uniu forças com Levene em 1978 para criar a Public Image Ltd (PIL). A música de estreia da banda, 'Public Image', chegou ao top 10 no Reino Unido, mas, três álbuns depois, Levene deixou o PiL após brigar com Lydon no quarto disco. Levene, que também se apresentou como cantor solo e, posteriormente, trabalhou com o Red Hot Chili Peppers, morreu em novembro aos 65 anos, após uma luta contra o câncer de fígado.


Christine McVie (12 de julho de 1943 - 30 de novembro de 2022)

Foto de Evening Standard/Hulton Archive/Getty Images

Antes de se juntar ao Fleetwood Mac em 1970, Christine McVie já tinha alguma experiência na cena musical britânica, sobretudo como integrante da banda de blues Chicken Shack. Após se unir a John McVie por meio do matrimônio, ela deixou o último grupo para seguir com a banda que a faria ficar mais conhecida, mais tarde se relocando para os Estados Unidos com eles. Lá, eles se tornaram um dos atos mais famosos e influentes do rock. Fora do Fleetwood Mac, ela lançou três álbuns solo e 'Lindsey Buckingham Christine McVie' de 2017 com o colega de grupo FM. Infelizmente, ela morreu em novembro aos 79 anos após uma doença curta.


Wilko Johnson (12 de julho de 1947 - 21 de novembro de 2022)


Crédito: Lorne Thomson/Redferns.

John Andrew Wilkinson pode não ser tão conhecido pelo seu nome de batismo, mas, se mencionar o seu nome artístico - Wilko Johnson -, a imagem de um músico reverenciado será imediatamente evocada. Um membro dos pub-rockers Dr. Feelgood, o guitarrista desenvolveu um estilo inconfundível em seu instrumento que, mais tarde, influenciou nomes como Paul Weller e Alex Kapranos do Franz Ferdinand.


Johnson posteriormente se tornou membro dos The Blockheads, de Ian Dury, e criou sua própria banda, The Wilko Johnson Band, mantendo sua relevância por décadas. Ele faleceu em novembro de 2020, aos 75 anos.


Jet Black (26 de agosto de 1938 - 6 de dezembro de 2022)

CRÉDITO: Steve Rapport/Getty Images

Em 1974, Jet Black - também conhecido como Brian John Duffy - fundou o The Stranglers, deixando para trás uma carreira em empresas de sorvete sem licença em favor do punk. Ele foi o responsável pelo ritmo da banda na bateria e criou o maior sucesso da banda, 'Golden Brown', ao lado do tecladista Dave Greenfield. Em 2015, ele deixou de se apresentar devido a problemas cardíacos e arritmia. Ele morreu aos 84 anos, em dezembro.


Angelo Badalamenti (22 de março de 1937 - 11 de dezembro de 2022)

(Foto: Kevin Winter/Getty Images)

Proeminente compositor e arranjador, Angelo Badalamenti era mais conhecido por suas colaborações com David Lynch. O nova-iorquino trabalhou pela primeira vez com o diretor no filme Blue Velvet, de 1986, antes de fazer a trilha sonora da clássica série de TV de Lynch, Twin Peaks (bem como a reinicialização de 2017, Twin Peaks: The Return) e seu filme de 2001, Mulholland Drive.


Badalamenti descreveu sua parceria com Lynch como "meu segundo melhor casamento". Sua longa carreira também contou com colaborações com nomes como David Bowie, Paul McCartney e Pet Shop Boys, enquanto também compôs o 'Tema da Tocha' para as Olimpíadas de 1992 em Barcelona. Badalamenti faleceu aos 85 anos em dezembro.


Terry Hall (19 de março de 1959 - 18 de dezembro de 2022)

CRÉDITO: Mike Lewis Photography/Redferns

Terry Hall, líder do The Specials, foi um cantor que se consagrou por compartilhar histórias das classes trabalhadoras da Grã-Bretanha e, nos primeiros anos da banda, de sua juventude desfavorecida. Com The Specials, Hall se tornou um precursor do 2 Tone, ao mesmo tempo em que ampliava sua variedade musical com o Fun Boy Three, The Colourfield, Vegas, uma sólida carreira solo e muito mais.


Em 2001, participou do single '911' do Gorillaz, e outras como Lily Allen, D12 e Tricky mostraram o respeito e influência que tinha. Hall morreu aos 63 anos após uma doença curta.


Martin Duffy (18 de maio de 1967 - 18 de dezembro de 2022)

CRÉDITO: Roberto Ricciuti/Redferns

Martin Duffy dedicou grande parte de sua vida ao mundo da música, integrando a banda indie Felt aos 18 anos, em 1985. Ele ficou até a separação, em 1989, depois foi para o Primal Scream, para o qual já tinha tocado nos dois primeiros álbuns. Também tocou com The Charlatans depois que o tecladista Rob Collins morreu, e colaborou com Paul Weller e The Chemical Brothers. Duffy morreu aos 55 anos.



Em menção honrosa, nossa homenagem ao O músico, compositor, arranjador e produtor Thom Bell, considerado um dos idealizadores do Sound of Philadelphia, morreu aos 79 anos, ontem (22 dezembro).