top of page

Em memória dos grandes artistas brasileiros que perdemos em 2022

Atualizado: 28 de dez. de 2022

Em 2022, perdemos alguns talentos brasileiros preciosos com legados que serão eternizados e aqui lembraremos com carinho desses ícones.

Elza Soares, Gal Costa e Ermasmo Carlos: artistas da música brasileira que faleceram em 2022 — Foto: Divulgação.


Todo ano que se encerra é momento de analisar o que se passou e quando deparamos com os que faleceram, é momento de refletir e sensibilizar.


Em 2022, perdemos alguns talentos brasileiros preciosos com legados, que serão eternizados e aqui lembraremos com carinho desses ícones que vão desde Elza Soares até Jô Soares que trouxeram verdadeiras emoções para o público e a crítica com seus talentos memoráveis e legados culturais inesquecíveis.



Elza Soares (23 de junho de 1930 – 20 de janeiro de 2022)


Iniciando essa lista, falemos inicialmente do falecimento da emblemática cantora Elza Soares. Ela tinha 91 anos e faleceu de causas naturais. Dona de marcantes álbuns ótimos e músicas como “Se Acaso Você Chegasse” e “Mulher do Fim do Mundo”, a carioca teve um início de carreira bem difícil por ser uma mulher negra e pobre e teve um casamento conturbado com o famoso ex-jogador de futebol Garrincha, mas felizmente conseguiu driblar essas dificuldades para se tornar uma das maiores vozes femininas da música brasileira com sua marcante e que se misturou a vários gêneros musicais como Pop, Samba, Jazz, Rap e MPB para fazer um som maravilhoso e único.


Milton Gonçalves (9 de dezembro de 1933 – 30 de maio de 2022)


Um dos maiores atores brasileiros de todos os tempos, o artista mineiro faleceu aos 88 anos em decorrências de problemas de saúde decorrentes de um AVC que ele sofreu no ano de 2020. Considerado o número de novelas, filmes e peças de teatro que ele fez, foram mais de 50 produções e grande maioria delas com personagens fortes, aclamados, amados e reverenciados pelo público e pela crítica. Além de um grandioso trabalho cultural, ele era também referência ao movimento negro brasileiro, onde foi um poderoso militante com suas lutas antirracistas.



Pedro Paulo Rangel (29 de junho de 1948 – 21 de dezembro de 2022)


Outro ator brasileiro ilustre e importante que faleceu em 2022 foi o ilustre Pedro Paulo Rangel, aos 74 anos, em decorrência de uma doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Ele fez vários papéis marcantes em novelas, filmes e peças de teatro que mostravam seu talento e versatilidade em personagens excêntricos e diferenciados, sejam pelo lado humorístico ou pelo lado dramático.


Cláudia Jimenez (18 de novembro de 1958 – 20 de agosto de 2022)


Após sofrer uma insuficiência cardíaca, a atriz e humorista Cláudia Jimenez veio falecer aos 63 anos. Ela teve papéis humorísticos de bastante destaque nas novelas, no cinema e no teatro com personagens irreverentes, caricatos e cômicos que a mostraram como uma das maiores comediantes do Brasil devido ao fato de ela ter sido parte do elenco da clássica sitcom “Sai de Baixo” e do programa “Escolinha do Professor Raimundo”.


Isaac Bardavid (13 de fevereiro de 1931 – 1 de fevereiro de 2022)


Referência como ator e dublador, o artista faleceu aos 90 anos após tratar de um enfisema pulmonar. Isaac como ator fez produções de destaque e como dublador, ele dublou inesquecíveis figuras com sua brilhante voz em variados personagens e películas, desde o Wolverine de “X-Men”, Esqueleto de “He-Man” e Tigrão de Ursinho Pooh.



Luiz Galvão (22 de julho de 1935 – 22 de outubro de 2022)


Membro fundador do esplêndido grupo musical Novos Baianos, Luiz Galvão faleceu aos 87 anos em decorrência de uma hemorragia gastrointestinal. O baiano fundou em 1968 com Moraes Moreira e Paulinho Boca de Cantor os Novos Baianos, que trouxe uma verdadeira revolução para a música brasileira, mais precisamente a MPB, em misturar ela com elementos de Samba e Bossa Nova à Rock e Baião em músicas viscerais e álbuns grandiosos, entre eles, o aclamado “Acabou Chorare”, que foi lançado em 1972.


Jô Soares (16 de janeiro de 1938 – 5 de agosto de 2022)


Multifacetado e dono de uma riqueza cultural, Jô Soares faleceu aos 84 anos em decorrência de uma pneumonia. O artista foi humorista a ponto de ter inesquecíveis personagens em memoráveis programas de TV como “Planeta dos Homens”, “Família Trapo” e “Viva o Gordo”, foi pioneiro ao apresentar os aclamados Talk Shows “Jô Onze e Meia” no SBT e “Programa do Jô” na Rede Globo, foi um escritor excepcional com uma obra literária cheia de livros interessantes como “O Xangô de Baker Street” e “As Esganadas”, foi tocador renomado do instrumento musical Bongô e fez filmes como ator.


Nélida Piñon (3 de maio de 1937 – 17 de dezembro de 2022)


Um dos grandes nomes femininos da literatura brasileira, a escritora faleceu aos 85 anos em decorrência das consequências de um entupimento dos vasos biliares. Autora de importantes e renomados livros como “A Casa da Paixão” e “A República dos Sonhos”, ela foi a primeira mulher a se tornar presidente da ABL (Academia Brasileira de Letras) e exerceu o mandato entre 1996 e 1997. Sua obra já foi traduzida para inúmeros países e idiomas em que mostram uma escritora preocupada e antenada com os acontecimentos sociais e possui uma escrita bem marcante.


Gal Costa (26 de setembro de 1945 – 9 de novembro de 2022)

Uma das maiores cantoras da música brasileira, faleceu no dia 9 de novembro sem divulgação da causa da sua morte a pedido da família. Ela marcou e revolucionou a música brasileira, mais precisamente a MPB com apresentações impactantes e politizadas, uma discografia muito boa e músicas maravilhosas, que são cheias de influências e referências. Fez parte do movimento Tropicália e montou com os amigos Caetano Veloso, Gilberto Gil e Maria Bethânia o famoso Doces Bárbaros.


Rolando Boldrin (22 de outubro de 1936 – 9 de novembro de 2022)


Um gigante defensor da riqueza da arte brasileira, faleceu aos 86 anos em decorrência de insuficiência respiratória e renal. Rico em contribuições culturais, ele foi um magistral tocador de viola, exímio contador de causos, apreciador de poesias, um músico ímpar, um ator talentoso que fez filmes e novelas e um íntegro apresentador onde contribuiu apresentando programas aclamados como “Som Brasil” na Rede Globo, “Empório Brasileiro” na Rede Bandeirantes, “Empório Brasileiro” no SBT e por último “Sr. Brasil” na TV Cultura no qual apresentou esse último desde 2005.


Françoise Forton (8 de julho de 1955 - 16 de janeiro de 2022)

Um dos nomes marcantes das novelas, das peças de teatro e dos filmes nacionais, a atriz faleceu aos 66 anos após uma batalha contra o câncer. Ela fez novelas, filmes e peças de teatro de relevância e importância com simpatia e talento.


Marilene Galvão (27 de abril de 1942 - 24 de agosto de 2022)

Uma das maiores personalidades da música caipira brasileira, Marilene Galvão faleceu aos 70 anos através de complicações do Alzheimer. Formou com a irmã Mary Galvão a dupla Irmãs Galvão, mudando posteriormente para As Galvão, uma dupla que ao lado de outras marcantes como o Tonico & Tinoco fazia referência e sucesso no gênero musical com seu forte cancioneiro com vozes e instrumentos bem carregados.


Paulinha Abelha (16 de agosto de 1978 - 23 de fevereiro de 2022)

De forma repentina, a cantora de 43 anos faleceu após um coma profundo provocado por meningoencefalite, hipertensão craniana, insuficiência renal aguda e hepatite. A artista era uma celebridade no gênero musical Forró devido à sua voz, seu talento e ter sido vocalista do importante grupo Calcinha Preta.


Marilu Bueno (27 de fevereiro de 1940 - 22 de junho de 2022)


Um dos nomes ilustres das artes cênicas no Brasil, a atriz faleceu aos 82 anos após complicações de uma cirurgia no abdômen. Ela é um dos grandes nomes do cinema, teatro e das novelas com seu talento marcante em papéis marcantes nas mais diversas produções.



Arnaldo Jabor (12 de dezembro de 1940 - 15 de fevereiro de 2022)


Renomado nome do cinema e da literatura nacional, faleceu aos 81 anos após ter sofrido um AVC. Arnaldo Jabor é autor de renomadas obras como o filme "Toda Nudez Será Castigada" e o livro "Os canibais estão na sala de jantar". Além disso, foi critico e colunista por anos do Jornal da Globo.


Paulo Diniz (24 de janeiro de 1940 - 22 de junho de 2022)


Um dos grandes ícones da música brasileira nos anos 1960 e 1970, faleceu aos 82 anos em 22 de junho. O músico pernambucano tem grandes clássicos no seu repertório musical como "Um Chope para Distrair", "O Chorão", "Bahia Comigo" e "Pingos de Amor" sendo que essa última se tornou um verdadeiro clássico nacional.


Leno (25 de abril de 1949 - 8 de dezembro de 2022)

Um dos grandes nomes da música brasileira, Gileno Osório Wanderley de Azevedo, mais conhecido como Leno, faleceu aos 73 anos, no dia 8 de dezembro. O músico potiguar ficou conhecido por ter sido integrante da inesquecível dupla Leno e Lilian que fez grande sucesso no auge da Jovem Guarda nos anos 1960 com a cantora Lílian Knapp. Juntamente com a cantora eles são interpretes de inesquecíveis canções como "Devolva-Me" que já muito bem regravado pela cantora Adriana Calcanhotto, "Eu Não Sabia Que Você Existia" e "Pobre Menina" que foi um dos principais sucessos da Jovem Guarda.


Erasmo Carlos (5 de junho de 1941 – 22 de novembro de 2022)


Encerrando essa lista temos, Erasmo Carlos, o "Tremendão". Ele foi um dos pioneiros do Rock no Brasil e faleceu aos 81 anos em decorrência de uma paniculite complicada por sepse de origem cutânea. Além disso, ele foi um dos grandes nomes da Jovem Guarda, fez várias parcerias e composições com o ilustre cantor e compositor brasileiro Roberto Carlos, gravou muitos discos e músicas, revolucionou à música brasileira desde a MPB ao Rock com seu cancioneiro e influenciou gerações de artistas com sua poesia e rebeldia.



Posts recentes

Ver tudo
bottom of page