top of page

DC e Warner entregam em "The Flash" humor, diversão e reflexões, sem esquecer o multiverso

Atualizado: 11 de ago. de 2023

"The Flash" foi lançado em 15 de junho de 2023.

Ezra Miller em cena do filme 'The Flash' — Foto: Divulgação.


Entra ano, sai ano, e a temática do Multiverso está presente na Cultura Pop mais uma vez. Anteriormente, tivemos o lançamento do belo filme "Homem Aranha: Através do Aranhaverso" como o primeiro filme de 2023 com essa temática, que fez um ótimo uso dela. E agora, pouco depois desse lançamento, temos "The Flash", o segundo filme da DC de 2023, após o flopado "Shazam: Fúria dos Deuses", como forma de ajudar a Warner a conseguir bilheteria e colocar sua versão desse tema de " Multiverso", onde eles conseguiram fazer bom uso, porém, com algumas ressalvas que serão expostas neste texto.


Em "The Flash", temos o primeiro filme solo do herói veloz da DC, vivido pelo ator Ezra Miller nos cinemas. Em uma história baseada na famosa HQ (História em Quadrinhos) "Flashpoint", temos o herói Flash, que, depois do encerramento dos eventos do filme "Liga da Justiça" de 2017, decide viajar no tempo para consertar um erro do passado. Esse erro, na visão do velocista, é evitar que sua mãe seja assassinada e seu pai seja culpado injustamente pelo crime. Ao intervir nisso, ele acaba criando um efeito borboleta que gera consequências que afetaram sua existência e de todos pelo multiverso. Para isso, ele precisa consertar as coisas com aliados para que tudo volte ao normal.




Como foi dito anteriormente, o filme é bom, com algumas ressalvas! Seus pontos positivos estão na construção de Barry Allen, que sabe trazer humor em momentos precisos, com direito a piadas e referências culturais. Ao trazer cenas hilariantes e momentos dramáticos, sua jornada para salvar a vida de sua mãe e inocentar seu pai é repleto de momentos tensos, com reflexões pontuais sobre o tempo e as falhas humanas.

Além desses pontos positivos, podemos analisar também a introdução muito bem feita da personagem Supergirl, que é bem interpretada por Sasha Calle. A apresentação do Batman, feita por Michael Keaton, foi de hilária à eletrizante, trazendo um toque de nostalgia para pessoas (como eu, por exemplo) que o consideram como um dos melhores atores que interpretam o Batman nos cinemas. Também há cenas muito divertidas entre o Barry Allen da linha do presente e Barry Allen da linha alternativa e o principal, que é conseguir atos cinematográficos quase todos bem feitos, onde se consegue entender bem a história, a direção do cineasta argentino Andy Muschietti, deixa o filme bem descontraído e interativo, de forma pontual e precisa em certos momentos da narrativa. O desenvolvimento de seus personagens e a cena final são bem inusitados, o que pode ter, dependendo da interpretação, um final aberto ou não, principalmente porque não se sabe se haverá uma continuação ou um reboot.



Os pontos negativos estão que essa produção deixou o arco final um pouco confuso em certos momentos. As tramas envolvendo o Batman feito por Michael Keaton poderiam ter sido um pouco mais exploradas para saber mais o que aconteceu com ele após os eventos do icônico filme "Batman: O Retorno" de 1992, pois a história do filme ignorou totalmente os filmes "Batman Eternamente" de 1995 e "Batman & Robin" de 1997. A presença de Ben Affleck, apesar de dar início a uma carga dramática no filme, ela poderia ter sido feita de uma forma melhor, e a cena pós-créditos é um pouco estranha e MUITO desnecessário.

Mas, a principal falha foi que esse filme poderia ter sido lançado antes de a Warner mudar sua diretoria, para verificar seus erros e corrigi-los, ou mesmo que a atual diretoria da produtora pudesse corrigi-los, porque, em suma, o filme é bom na sua média ao trazer entretenimento usado de forma boa, traz cenas hilárias bem posicionadas, tem fan service bem produzido para os fãs e admiradores da DC, traz fortes emoções, uma trama cheia de reviravoltas e uma história interessante



Não é o melhor, nem o pior filme da DC nos cinemas, mas entrega dois olhares importantes para o cinema. O primeiro é de olhar para o passado com cautela, para reparar os erros, bem como para louvar as coisas boas que foram feitas. O segundo é de olhar para o futuro com esperança, para fazer produções que tragam hype e recompensem o visual para todas as pessoas que curtem de ver filmes de super-heróis, que são marcantes do início ao fim.

 

The Flash

The Flash


Gênero: Ação, Aventura, Fantasia

Lançamento: 15 de junho de 2023

Elenco: Ezra Miller, Michael Keaton, Sasha Calle, Maribel Verdú, Ben Affleck

Direção: Andy Muschietti

Roteiro: Christina Hodson

Duração: 155 min

Classificação: Livre


 

NOTA DO CRÍTICO: 7,0

 

Trailer:


86 visualizações0 comentário
bottom of page