top of page

Crônica especial: 2013, o ano que dei adeus ao Chorão e para MTV Brasil

Atualizado: 13 de fev.

Um texto especial de uma pessoa que ama música e que vê em Charlie Brown Jr. e MTV Brasil dois marcos culturais importantes para a história cultural do Brasil.

Imagem: Montagem. Foto Reprodução.


O ano era 2013. Eu era apenas um adolescente de 19 anos com sede de conhecimento e deslumbrado por estar estudando Direito na PUC Minas, uma das maiores e renomadas universidades privadas do Brasil. Apesar da dificuldade que tive inicialmente em me adaptar com o curso, meu lado estudioso sempre prevaleceu, onde busquei sempre me dedicar exaustivamente em estudar bem. Além disso, me envolvi com projetos de extensão e ainda fazia os cursos de inglês e informática.


Apesar do meu esforço, dedicação e estudo, a vida não era fácil. Mas também teve coisas boas. Com o dinheiro da mesada que recebia dos meus pais, eu conseguia comprar CDs nas lojas físicas de discos que existiam, comprar livros para montar minha biblioteca particular, conseguia ver filmes no cinema com o cartão meia entrada, com a oportunidade de passar nas Lojas Americanas para comprar um chocolate, um doce ou um salgadinho para consumir durante a sessão. E quando o dinheiro sobrava eu comia duas fatias de pizza com um copo de cerveja em uma pizzaria que vendia a iguaria por fatias, ou pastéis com suco de laranja de uma pastelaria ou decidia por algum combo barato do Burger King, ou do Subway, onde nesse último eu amava comer o famoso sanduíche B.M.T. Italiano com queijo prato.



Meu momento de descanso era em casa, onde podia ouvir música tranquilamente, ler livro com calma como se eu estivesse na biblioteca da PUC Minas (na qual eu era um grande frequentador) e também assistir à TV.

Naquele tempo a programação de muitos canais estava bem diferente a começar pela TV Globo que colocou programas e telenovelas bem exóticos, a Cartoon Network colocou os inesquecíveis "Cartoon Cartoons" em um pequeno bloco chamado "Cartoon Z@um", José Trajano fazia parte da ESPN e a FOX Sports estava se consolidando no Brasil, após uma estreia bem sucedida em 2012. Mas o que me fez entristecer e refletir copiosamente, foi o falecimento do Chorão e o fim da MTV Brasil.

Quem nasceu e viveu nos anos 1990, é impossível não se lembrar da MTV Brasil e da banda Charlie Brown Jr. onde ambos promoveram verdadeiras revoluções culturais. A MTV foi fundada no Brasil em 20 de outubro de 1990, enquanto o grupo musical santista surgiu em 1992, mas foi só em 1997 que foi lançar o seu fabuloso álbum de estreia “Transpiração Contínua Prolongada”.



Em 1999 foi o meu primeiro contato com ambos. Lembro-me de estar procurando algo para assistir na TV após uma partida de videogame na parte da tarde. Eu não queria assistir desenho animado e muito menos Teletubbies. Queria ver algo novo! E eis que quando aciono o controle me deparo com umas vinhetas alucinógenas e interessantes quando ouço mostra uma bela moça com uma voz bem leve falando “Olá! Brasil! Estamos começando mais um Disk MTV para todo o país...” essa voz era de Sabrina Parlatore e ela estava apresentando o programa "Disk MTV" que mostrava as melhores videoclipes daquele dia e nessa lista o da música “Zoio de Lula” do Charlie Brown Jr. mostrando imagens de praia e skate. Não lembro que posição ficou, mas, aquilo me deixou tão fascinado que peguei meu lanche da tarde e fiquei vendo esse e os outros videoclipes.

Quando acabou fiquei com vontade de ver o “Zoio de Lula” novamente e de ver o restante da programação daquele canal que tinha recém conhecido. Gostei muito de ver aqueles programas, aqueles apresentadores, aquelas vinhetas e as músicas que passavam, sendo que umas conhecia e outras não. E anotava em um caderno o que gostava mais de acompanhar.


O “Rockgol” com seu jeito totalmente excelente de misturar futebol com música com os comandos de Paulo Bonfá e Marco Bianchi, o “TopTop” que tinha as diferentonas listas feitas por Marina Person e Leo Madeira, “Hermes & Renato” que parodiava tudo, o Jornal da MTV onde se informava das últimas tendências, "Mochilão MTV" que mostrava vários lugares pelo mundo de um jeito bem leve, "Gordo a Go Go" com um talk show icônico feito por João Gordo, “Beija Sapo” que era um programa bem legal e conduzido pela Daniella Cicarelli, “Covernation” um game show divertido de Marcos Mion, “Megaliga MTV de VJs Paladinos” um desenho emocionante com os VJs como super-heróis e muitos outros que revolucionaram pela forma de tratar e respeitar o público com uma linguagem única e bem marcante enquanto lançava músicos que fazem parte da história da música.



Além disso, tinha, desde 2004, a memorável “Desligue a TV e vá ler um livro” que pausava a programação algumas vezes por 15 minutos durante o dia com instituto de estimular a leitura entre seus telespectadores.

O tempo foi passando e a admiração por ambos aumentava. Eu ficava feliz de ver quando o Charlie Brown Jr. ganhava algum prêmio no VMB, ou quando estavam no canal. Lembro que fiquei boquiaberto de felicidade quando em 2001 eles tiveram no Supernova na época que era apresentado pelos ótimos VJs Luiz Thunderbird e Didi Wagner. E em 2003 quando fizeram em formato de CD e DVD o famigerado “Acústico MTV Charlie Brown Jr.” que apesar de infelizmente eu não possuo CD e o DVD, eu vi o show na programação e amei ver aquilo. Mas, o tempo não parou e continuou rodando.


E veio o ano de 2013. Eu estava procurando em várias lojas e não conseguia encontrar o CD ou o DVD do “Música Popular Caiçara” do Charlie Brown Jr. que estava sendo vendido bem devido a uma música inédita que era a poética “Céu Azul”. Enquanto isso, a MTV Brasil tentava voltar à sua origem com música e comédia.



Até que chegou o dia 6 de março quando anunciaram na TV a morte do Chorão e em junho do mesmo ano, Zico Góes, diretor de programação da emissora, disse que a MTV iria ser dirigida pela Viacom onde o conglomerado de mídia determinou que em 30 de setembro a MTV Brasil iria encerrar as suas atividades para que no dia 1º de outubro o canal fosse relançado na TV Paga com o nome MTV e programação totalmente diferente da anterior com mais Reality Show e menos música. Fiquei triste com ambas notícias na época.


O falecimento de Chorão e o fim da MTV Brasil foram um estalo de amadurecimento para mim, porque eu não estava preparado emocionalmente, pois Chorão e MTV Brasil me moldaram culturalmente. E hoje compreendo isso, pois mesmo emocionado vejo com olhar bom diante dos dois ao ver que carinho que tenho por Charlie Brown Jr. e MTV Brasil é eterno.


Apesar de ainda ouvir as músicas de Charlie Brown Jr. digo adeus a Chorão e a MTV Brasil. Um dia, a gente se encontra e obrigado por tudo!


213 visualizações0 comentário
bottom of page