Casa de Marilyn Manson em Los Angeles passa por operação de busca após denúncias de abusos.



Não é de agora que o músico Marilyn Manson vem tendo problemas com a justiça, após denúncias de abusos. A casa do cantor em Hollywood foi revistada ontem (29 de novembro) após várias alegações de abuso físico e sexual por parte de várias mulheres.


De acordo com TMZ os detetives da unidade de vítimas especiais do Departamento do Xerife do Condado de Los Angeles, vasculharam a casa de Manson em West Hollywood depois que um mandado de busca foi expedido. Manson- cujo nome verdadeiro é Brian Warner-não estava em casa no momento da ação dos detetives.


Durante a ação foram aprendidos unidades de armazenamento de mídias, incluindo discos rígidos. Eva Jimenez, assistente do xerife do Condado de Los Angeles, não deu muitas informações, ela apenas disse à Associated Press que um mandado havia sido entregue na casa de Manson, sem maiores detalhes.


A busca na casa de Manson veio depois de várias acusações e denúncias de abuso físico e sexual feito por várias mulheres. Atualmente o músico tem quatro processos de agressão sexual. A coisa se intensificou ainda mais contra Manson, após sua ex-parceira Evan Rachel Wood ter feito acusações públicas contra ele em fevereiro.


Manson nega todas as acusações e fala que estão todos "cinicamente e desonestamente buscando promoção, monetizar e explorar o movimento #METOO", lançando "um ataque coordenado contra ele".


Em documentos arquivados no decorrer do mês de julho, ele rotulou as mulheres de “co-conspiradoras” que estão “tentando desesperadamente fundir” a persona do palco do Manson “com relatos fabricados de abuso”.


Em vários relatos de mulheres que efetuaram denúncias contra o músico, elas falam sobre a existência de um quarto de torturas. Onde supostamente o músico comete seus assédios, abusos físicos e sexuais. Isso ainda não foi comprovado pelas autoridades. Não ficou claro se a casa a qual foi feito a busca é a mesma relatada pelas mulheres.


A ex-assistente de Manson, Ashley Walters, que o está processando por agressão sexual e outras mais, disse que Manson “sempre teve um tom de brincadeira e se gabando”, quando falava sobre a sala. Outra ex-assistente nunca viu mulheres confinadas na sala, mas afirmou que “era de conhecimento geral assim que todos chamavam”.


No início do mês, o advogado do músico disse que ele está aberto a diálogos de acordos com a ex-namorada que o acusou de estrupo em 2011.

 



16 visualizações0 comentário